segunda-feira, 26 de setembro de 2016

O aprendiz de doente

Foi tiro certeiro, como de costume: "você precisa ler o Pequeno Manual do doente aprendiz do Câmara Cascudo". Era Gilberto Felisberto Vasconcellos desde a cidade imperial, em nossa pregação telefônica semanal. Giba queria saber da cirurgia que me deixara de muletas e sem autonomia por 60 dias. Ele deu a receita sem rodeio algum, como se fosse médico. Talvez exista - mas eu não conheço - alguém tão antenado na cultura brasileira feito meu amigo de Petrópolis. É lástima que não tenha auditório amplo, especialmente nas universidades e nos sindicatos. 

Câmara Cascudo é santo de devoção pra Felisberto Vasconcellos. Com orgulho comedido Giba recorda com frequência o único encontro com o sábio brasileiro da cultura popular lá em Natal. De fato, é privilégio que pode ser observado neste potente livrinho ainda que o mestre potiguar tenha impedido por anos a publicação por considerá-lo demasiadamente confessional. Uma cronica hospitalar. Proibiu a publicação enquanto respirou. 

De minha parte, como dizem os hispânicos, li o Pequeno Manual de um tirón. Livro bom, barato e difícil de encontrar é na estante virtual, a maior contribuição da tecnologia gringa para o leitor fiel. Compensa fácil a cronica e colonial falta de bibliotecas públicas. Sofremos a interminável morte da memória nacional, segundo Franklin de Oliveira. Agora sou mais um entre milhares de brasileiros em recorrer a sabedoria enciclopédica de Câmara Cascudo diante de qualquer dificuldade mundana.
Resultado de imagem para Imagem de Cascudo - Fragmento de Drummond

Carlos Drummond de Andrade advertiu no ano rebelde de 1968 a receita que Giba me apresentou agora, num momento difícil: "O Cascudo aparece, e decide a parada. Todos o respeitam e vão por ele. Não é propriamente uma pessoa, ou antes, é uma pessoa em dois grossos volumes, em forma de dicionário que convém ter sempre à mão, para quando surgir uma dúvida sobre costumes, festas, e artes do nosso povo..." Cascudo é expressão nacional, disse o poeta de Itabira.

O livrinho nasceu após 45 dias de permanência num hospital. Leu e escreveu, suspeito, todos os dias. Eu, comparado ao folclorista, sou menor até nisso: rasas 5 noites. Além da genialidade, ele tinha a vantagem de ter estudado medicina até o quarto ano quando abandonou o bisturi porque queria ser um homem do Brasil. No entanto, não desprezo minha fugaz internação, pois foi tempo suficiente para sacar a rotina hospitalar e reconhecer identidades e contrastes com o relato feito pelo homem que apreciava charutos.

Câmara é cascudo. É também sensível, dialético. Reconhece a questão na coisa simples, na linguagem, no comportamento, no hábito. Não despreza história, conto ou crença popular. Mesmo no fundo do Hospital das Clínicas produziu texto repleto de sacadas úteis e imensa sabedoria. Lia em espanhol, francês e inglês, vi nas referências. Manteve relação com Fernando Ortiz, o grande historiador e sociólogo cubano, também folclorista, mas à moda caribenha. Vê-se o apreço pelos tratados de medicina. É um espanto que os gramscianos brasileiros não imitem o marxista italiano e mergulhem fundo no folklore, via Cascudo. Gramsci escreveu profusamente sobre Pirandelo, Leoni, Antonelli, Martini, Villauri, e tutti cuanti como se pode ler no Il nostro Marx. Os gramscianos dos trópicos, ao contrário, pretendem-se versados na cultura européia. É tal o colonialismo entre nós que certa vez ouvi na UFSC uma pérola: "Mariátegui é o nosso Gramsci", como se o peruano necessitasse da ociosa comparação para evidenciar grandeza. Esta atitude colonizada é também traição ao próprio Gramsci. Na verdade, é conduta anti-gramsciana mas cai como luva na escolástica e estranhamento que comanda a maior parte da vida dos letrados festejados e da boçalidade acadêmica. Melhor assim, pois não é necessário sujar as mãos com nossa realidade vital. O Borges de 1925 sacou de imediato o problema, ainda que tenha renegado mais tarde sua original descoberta: "nossa realidade vital é grandiosa e nossa realidade pensada é mendiga". Avançamos algo, é claro, mas neste momento da vida brasileira somente um projeto cultural revolucionário pode sacudir a piramide que nos amassa; até lá, na cultura, teremos mais diversão do que contribuição fecunda. Além, é claro, de milhares de dissertações e teses.


No Hospital estive imóvel. No último dia, antes de sair, caminhei duas vezes no corredor com aquele andador desajeitado de quatro patas; sentia-me uma girafa, confesso, mas pelo menos eu andava. O intestino e os rins paralisados pela anestesia até o último dia de internação. Deitado, com os olhos para o teto, manhã, tarde e noite. À esquerda, a janela lateral permitia ver o sol das manhãs e as luzes noturnas, por vezes tomado pela fantasia de que lá fora a felicidade comandava a vida da cidade. Todo final de tarde sonhava ingenuamente com a ordem da doutora, "vai... pra casa!". Ao contrário de Cascudo eu não estava enfermo, unicamente convalescente e com internação limitada. Ainda assim, saí de lá tomando 10 comprimidos diários e outras tantas recomendações na mochila para os primeiros 40 dias. "Não pode isso, nem pensar naquilo e jamais aquele outro". Não pode dirigir, não pode calçar o sapato e não pode deitar no lado do corte, o direito. O poeta Ludovico Silva recebeu o recado de um anjo ("nenhuma gota mais Ludo"), enquanto o meu chegou pela boca do enfermeiro chefe: "nos próximos 50 dias nada de álcool Nildo". Dormir do lado esquerdo somente com travesseiro entre as pernas para não desalinha-las e comprometer a cirurgia. Dormir do lado direito nem em pesadelo. Nas costas, a pele se esfarela, produz escamas. Lá eu mirando novamente o teto, agora em casa. Também deixei dois ou três quilos no quarto no qual enfermeiros seguram o pós operatório com sumo zelo. O primeiro banho ainda no hospital me foi dado por duas enfermeiras como se fosse eu um recém-nascido. É a impotência completa, sentimento que garante imensa naturalidade, nenhum constrangimento. Elas tiram de letra, com habilidade invejável. Já fora das quatro paredes, contraí alergia que rendeu adicionais 3 comprimidos diários pra combate-la por mais 7 dias. O cheiro do corpo muda. A incorrigível desatenção para detalhes práticos me fez suportar a dor por 4 dias de maneira desnecessária, até Júlia ler com atenção a receita que indicava outros 3 comprimidos diários para tornar a vida leve. A primeira pílula em jejum, outras duas após o café da manhã, outra meia hora antes do almoço, outra mais a cada 8 horas... A anestesia, os cochilos inevitáveis para quem permanece na cama, a falta de exercício, tudo contribui para o descontrole do sono até o horário natural voltar.

Julia no comando
O Manual de Câmara Cascudo é para doentes mas dedica atenção maior aos médicos e retrata uma época. Os médicos de Cascudo são próximos, quase amigos; ele possui relação íntima com seus doutores e o afeto comanda a relação médico-paciente. Quando deu entrada no Hospital, o professor Luis, já era Câmara Cascudo! O médico e a medicina de Cascudo não mais existem como norma e se assemelham aos dentistas de Keynes, ambos necessariamente modestos. A propósito, o dentista modesto também é agora exceção, tal como a maioria dos médicos. Cascudo os compara a modéstia e sabedoria dos marinheiros, "tanto mais conhecendo o mar, tanto mais receosos de sua surpresa".

O médico moderno, ao contrário, tem fé desmedida na técnica e na tecnologia. Tampouco teme os mares desconhecidos da vida e da morte que orientam o destino de seus impotentes pacientes. É médico "high-tec". Carrega certa auto-suficiência, antídoto contra a intimidade com o paciente, certamente repleto de angustia e temores. O "meu" médico é tão conceituado que dispensa relação pessoal. Eu estive com ele duas vezes. A primeira por 20 minutos quando fui conhece-lo para decidir a cirurgia. A segunda, quando apareceu no meu quarto para informar que seu bisturi cortou com precisão. Na palavra sem modéstia, tudo saiu "perfeito". Adicionais 5 minutos. Vou vê-lo novamente em poucos dias, talvez mais 20 minutos, com sorte. Um abismo quando penso nos doutores amigos do Cascudo. Agora, a escala é industrial e nas condições da medicina capitalista, num país dependente, creio problema sem remissão. A única saída pro sistema de saúde é o cubano, sem dúvida. Ou medicina privada pra poucos.

Cascudo recorre à tipologia mas indica a inspiração kantiana de suas categorias. Existiriam os médicos basálticos, os graníticos e os aluviais. Os três são, no entanto, humanos, próximos do paciente e seus dramas. São amigos e pode-se suspeitar que sofrem algo com as dores alheias. O médico aluvial é filho do século XX e deposita suas esperanças na capacidade da ciência. Os anteriores, embora vizinhos de condição, mantém-se presos a certa experiência da relação entre médico-paciente. Numa época em que o homem pretende rivalizar com a velocidade da luz, o médico é cada dia mais Aluvial, aquele que prepara o caminho mais seguro para os demais, em alguma medida arredios a novidades. Embora possa parecer óbvia, é sacada fina que somente teria sustento sociológico mais tarde com o Homem unidimensional, de Marcuse.

À todo doente aprendiz, Cascudo repete com profundidade: "quem não adoece, não se conhece". É certo! Nas três parcas páginas dedicadas aos doentes, caem pesados recados a maneira homeopática. A doença é "processo de análise", "rara oportunidade para o auto-encontro". O "orgulho é a antítese da doença" e, finalmente, num parágrafo mais ambicioso, de extração psicanalítica, estabelece a sentença: "o sofrimento, a relativa imobilidade da clinóstase, as horas solitárias, o desinteresse pela vida pública, reduzida a uma farfalhante atividade de superfície, valorizam a delicadeza, a curiosidade mental, a jornada sutil, nos meandros da Percepção, emergida dos abismos inconscientes".

A ausência de afeto não autoriza, em meu caso, desprezo algum pela maestria do doutor Canella e as advertências sem rodeios da doutora Carla. Ao contrário, as dores que me acompanharam nos últimos dois anos desapareceram e ontem arrisquei passos sem ajuda de instrumento algum. Agora é encarar a lenta fisioterapia. Os enfermeiros foram muitos e as fisioterapeutas outras tantas. Vozes delicadas, atenção suprema. Impossível registrar todos os nomes. Atenciosos, transmitiam calma, pequenas doses de segurança e minimizavam os temores da alma. O quarto, como manda as regras dominantes, era asseado por um haitiano. A sua maneira ele desejou-me sorte com o gesto juvenil dos dedos e sorriso distante. O hospital parece funcionar sem os doutores na normalidade  dos enfermeiros.

Visita dos camaradas



Além da cicatriz, guardarei a memória de minhas visitas. Elaine e Maicon foram os primeiros em trazer alegria. Juntos chegaram Lauro, Danilo e Capela em suspeita coincidência, como se tivessem combinado uma assembleia na qual eu tinha nítida desvantagem. Nada foi a votos. Mauricio apareceu pra recordar que nada de novo ocorria sob a luta de classes. A irmã Nilva acompanhou pelo telefone e Nilso também. Eliete, mãe de minha adorável Júlia, estendeu mão amiga. Júlia Erêndira foi preciosa. Enfermeira sem diploma, paciência infinita e, por alguns dias, tal como num milagre, deu a devida atenção ao celular, permanecendo atenta aos meus chamados. Na prática, ela reservou as férias para suportar meu humor. Foi dedicada, serena e gentil. Fez os curativos, tratou a ferida. Afago de filha, mas já mulher, dona de seu nariz. Aprendi por enésima vez que ela cresceu. Lição necessária e sempre tardia, determinada pelo tempo que corre lento, quase imperceptível e, obviamente, impiedoso.

Quando em casa, a solidariedade brotou de fonte inesperada. Isaac, o vizinho, vestiu meia, calçou sapato, deu carona e fez compras; chamou por telefone e esteve pendente como se, de fato, fosse membro da família. Sidnei, o pintor de paredes e parceiro flamenguista, ajudou em pequenas necessidades transformadas pelas limitações físicas - e não menor imaginação - em obstáculos tão impossíveis de remover quanto catedrais. Não esquecerei os bolos de laranja de Patrícia e Lauro. Depois chamei Beatriz, quem foi minha motorista, logo promovida à condição de secretaria executiva com plenos poderes. Jonathas, o arquiteto, comandava a reforma da casa, também vestiu e tirou meia. Preta manteve paciência infinita na luta contra o pó que não deu trégua até o ruído das pequenas máquinas lixadeiras silenciarem por completo. Fábio Lopes foi o camarada de sempre e me concedeu pousada por uma semana, quando era impossível viver sob os escombros da casa em reforma. Toda manhã café e conversa fiada. Fiada na amizade certa e não poucas divergências políticas que se acumulam - ambas - com os anos. Os dias passavam na lenta medida da cicatrização. Ela, a cicatriz, é um risco no corpo e um fio na memória mas, como todo sofrimento passado, é agora mera crônica, transforma-dor. Recordo Cascudo: "quem não adoece, não se conhece". No outro lado do rio, observo com humildade aqueles dias. Caminhando sem limitações aparentes, estou "pronto para outra", mas prefiro não. 

11 comentários:


  1. Contente em saber que está tudo bem contigo, Professor. Depois de descobri Lima Barreto e Oswald de Andrade por vocês (o senhor e o Gilberto), ainda quero chegar em Cascudo. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excluí os comentários anteriores por erros de digitação, meu cel. tá horrível para escrever. rs... Ah, complementando, não foram só Lima e Oswald, têm Guerreiro Ramos, Glauber, Brizola, entre outros! Sempre bom acompanhá-los... Abcs

      Excluir
  2. Chego agora, pois não tinha cinhecimento destas paradas, mas pelo visto não lhe faltou amigos e solidariedade... agora que você está recuperado desejo êxito em mais este ato, já que somos circo, teatro e palco, de artista, poeta e louco todos nós temos um pouco. Gde Abraço

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Oi, professor. Melhoras.

    Uma coisa, vou fazer uma monografia sobre a redução da jornada de trabalho no Brasil e acho que seria interessante tocar na teoria marxista da dependência, já que ela tem conceitos que podem ser bem aproveitados - como a superexploração.

    Se você puder, poderia indicar algum livro? Sou aluno da Uerj e te ouço pelo Faixa Livre.

    Quando terminar a faculdade, vou ter mais contato com a coleção que o Iela lançou. Deixei o seu livro, O colapso do figurino francês, numa estante pública de livros aqui no Rio., espero que tenham aproveitado.

    Abs!

    PS - o Marcelo Freixo nao deseducou politicamente a população, ao falar que o secretariado dele teria uma indicação técnica?

    ResponderExcluir
  7. Professor!


    Fiquei um tempo sem ler seu blog e agora que descobri que estiveste doente! Bem que vi que estavas meio abatido em alguns vídeos do IELA e palestras, mas achei que era só uma gripe...

    Te cuida aí, companheiro! Mantém o corpo sadio como tens a cabeça.

    Afinal de contas, és a principal estrela do nosso canal no Youtube, ‘Tattoo no toco’.


    Grande abraço e um 2017 grandioso para tu e todos do IELA!

    ResponderExcluir