quinta-feira, 13 de junho de 2019

O PSOL navega sem bussola


Eu sou diretora da escola do Estácio de Sá
E felicidade maior neste mundo não há
Já fui convidada para ser estrela do nosso cinema
Ser estrela é bem fácil
Sair do Estácio é que é o X do problema
Noel Rosa

Um dia de inverno e as moscas morrem 
Sartre


A cada nova reunião do Diretório Nacional do PSOL, a cena se repete: a resolução aprovada com convicção e entusiasmo burocrático na reunião anterior é revogada pelos fatos pouco tempo depois. No entanto, a aliança majoritária não perde a linha e, em consequência, renova a convicção com desenvoltura sem, contudo, prestar contas do passado recente. Enfim, joga para frente e, tal como reza o ditado popular, seja lá o que deus quiser.

Resultado de imagem para ser ou nao ser fotos
Ser ou não ser, eis a questão (W. Shakespeare)
Em 8 outubro do ano passado - por  exemplo - a resolução destinada a ocultar a enorme derrota política e eleitoral que sofremos na disputa presidencial indicava que a tarefa central do Partido no segundo turno era "a luta contra o fascismo e o golpe". Naquele mês, sob os escombros de um resultado eleitoral pífio na eleição presidencial (0,58% dos votos válidos!), com modestíssimo crescimento eleitoral, o partido oferecia como justificativa para tal revés a realização de uma "eleição atípica" e ignorava todos os recados da realidade. A maioria do DN apontava a ameaça fascista como um dado inequívoco da vida nacional, uma novidade que teria surpreendido "a todos".

Na condição de minoria, jamais defendi a tese petista do "golpe" e, menos ainda, alimentei o temor que levou a maioria a afirmar que marchávamos a passos largos para o fascismo. Enfim, nem golpe, nem fascismo!! É claro que, dada a natureza específica da crise do capitalismo dependente rentístico e do sistema político brasileiro, alertei sobre a guerra de classes movida pela burguesia contra nosso povo, mas neguei a iminência do fascismo. É preciso reconhecer que o PSOL não tematiza a crise em curso e, em consequência, é incapaz de fazer previsões realistas e duradouras. Na verdade, o PSOL atua respondendo aos fatos, especialmente aqueles que revelam, aos poucos, a natureza do governo presidido pelo protofascista Bolsonaro.

A resolução aprovada na última reunião do DN (25/26 maio), portanto, há poucos meses de distância da anterior, simplesmente não menciona uma palavra sobre a luta "contra o golpe" e, pasmem, silencia completamente sobre a ameaça do "fascismo"!!!

A luta contra o "golpe" era, de fato, ridícula, e cairia por seu próprio peso. Afinal, Bolsonaro venceu numa eleição cuja legalidade não foi contestada pelo Partido, de resto, o único terreno onde a "tese" petista do golpe faria algum sentido. Na realidade, a propaganda petista contra o "golpe" tinha, desde sempre, prazo de validade: as eleições presidenciais que, nos cálculos rosados elaborados pela burocracia petista, seria sem dificuldade vencida por Lula. Hoje sabemos que as eleições de 2018 arquivaram para sempre a narrativa oficial do PT, não sem antes render importantes dividendos eleitorais para o liberalismo de esquerda (56 parlamentares). No PSOL, a linha dominante era igualmente ilusória e, ademais, produziria resultados eleitorais adversos, pois o tal "diálogo" do PSOL com a suposta base petista constituiu um fiasco que hoje ninguém quer revisar posto que, em matéria de máquina eleitoral, o PT é muitas vezes mais eficaz que qualquer outro partido das correntes progressistas. Enfim, os eleitores do PT, cativos da narrativa despolitizante, mantêm fidelidade canina que ninguém pode beliscar. O PC do B que o diga... ficou sem programa gratuito de TV e também sem o valioso fundo partidário que toda burocracia idolatra.


Mas, se a "tese do golpe" era insustentável, a tematização do fascismo é, sem dúvida, assunto mais grave e merece consideração superior. A julgar pela comparação entre a resolução aprovada no ano passado em clima de extrema preocupação com nossas próprias vidas e o animado ambiente produzido por otimismo desmedido com um suposto "crescimento da resistência popular", o fascismo é fenômeno que nasce na segunda-feira para desparecer candidamente no sábado! Na última reunião, nenhuma palavra sobre o tema! Nada! Há breve menção que vivemos um tempo... "instável". Na prática, a resolução assemelha-se à previsão do tempo e, de fato, possui a mesma credibilidade científica da meteorologista da TV quanto seus autores! Um vago "cenário instável" no lugar da luta "contra o golpe e o fascismo"! Você pode acreditar?

Um militante socialista pode navegar na atual conjuntura orientado por essa "diretriz"? Como o Partido poderá ser protagonista e cumprir papel de destaque nas eleições de 2020 sem prestar contas de suas crenças anteriores? É verdadeiramente inacreditável que a crença de outubro do ano passado na ascensão do fascismo tenha sido substituída agora pelo enfrentamento à "ofensiva neoliberal e conservadora" do governo Bolsonaro! Quanta diferença!!!!

Qual a razão de tamanho giro político? A resposta é clara: o insaciável apetite eleitoral, produto de uma concepção parlamentar de política incapaz na origem de responder aos desafios inerentes à grave e profunda crise brasileira. A concepção parlamentar de política é erro tão comum na política quanto nocivo para o futuro da Revolução Brasileira. No atual rumo, levará o PSOL a grandes derrotas políticas.... e eleitorais!

A maioria do DN erra ao confundir o desgaste inicial do governo Bolsonaro com o desgaste do projeto de classe que ele expressa de maneira acidentada. Ora, a coesão burguesa somado ao enorme descontentamento popular com o petucanismo elegeu Bolsonaro e deu vitória estratégica para as classes dominantes na direção do ultraliberalismo conduzido por Paulo Guedes. O desgaste do governo não beneficia nosso partido. Ao contrário, beneficia o PT e, parcialmente, ao liberalismo de esquerda!

Na prática, a resolução aprovada na última reunião esboça sem dizer a política de "frente ampla" contra o "governo conservador" de Bolsonaro. A oscilação na caracterização do governo - ora como fascista (outubro/2018) ora como conservador e neoliberal (maio/2019) - não impede que a linha política autorize toda e qualquer aliança nas eleições de 2020. No entanto, esse otimismo ingênuo esquece que a crise é brasileira e, portanto, as alianças estarão orientadas pelo projeto nacional cujas figuras mais conhecidas não contemplam o PSOL. Nesse sentido, é absolutamente claro que a última disputa presidencial nada acumulou para o Partido, pois até mesmo a volta das entrevistas de Lula indica que a orientação de "dialogar com a base petista" constitui imenso fracasso político. Enfim, a insistência do PSOL em assumir o "Lula Livre" conspira contra nosso crescimento eleitoral e compromete fatalmente nossa identidade política! Lula livre, concedendo entrevistas ou em prisão domiciliar, permitirá ao PT capitalizar a oposição a Bolsonaro e reduzirá brutalmente o espaço político do PSOL.

Qual o cálculo da maioria do DN? Bueno, apostar em vitórias naqueles municípios onde o PSOL possui lideranças mais ou menos consolidadas ou mesmo garantir alguma presença na disputa do segundo turno das eleições de 2020. Nesse contexto, a resolução antecipada de tática eleitoral - batizada como "pontapé inicial" de um debate que somente deverá ocorrer no próximo ano - é uma maneira de legalizar um caminho já em curso e que o militante socialista autêntico toma conhecimento pela manchete de jornal.

No Rio, para dar apenas um exemplo, o jornal anunciava que "Freixo pode ter Benedita da Silva como vice na chapa 2020", (Extra, 13/05). Onde passa o boi, passa a boiada, diz a sabedoria popular: e o que dizer do encontro entre Boulos e a neoliberal evangélica Marina Silva considerado "importante para a unidade pela democracia" conforme ele próprio definiu? Ora, de onde saiu essa linha política? Que tal a foto entre Boulos e Bresser Pereira, aquele economista que representa como nenhum outro a dupla moral da profissão, sempre pronto a servir ao melhor pastor? O que o PSOL ganha com encontros tão nocivos para a imagem do partido e para a prática militante? Os exemplos se multiplicam pelo país. No Rio Grande do Sul, a deputada Luciana Genro anuncia que a escolha para a prefeitura de Porto Alegre poderia resultar de uma prévia entre ela e Manoela D'avila do PC do B. Afinal, tá liberado a aliança com o PC do B?


O problema central é que a "orientação" toma o processo eleitoral como disputa que se realizará em condições normais da vida nacional. Eis o erro estratégico! A inexistência do fascismo como perigo eminente não permite ilusões sobre o período excepcional que vivemos sob condução do protofascista Bolsonaro e a coesão burguesa que aprofunda a dependência e perpetua o subdesenvolvimento. Nesse contexto, clamar por "todos contra Bolsonaro" é apenas um meio de permitir alianças com todo e qualquer partido, especialmente o PT, onde este quiser e julgar conveniente. Na reunião do DN, os pronunciamentos segundo o qual "o antipetismo é uma arma da direita" incapaz de ser disputado pela esquerda foi quase uma norma. Ou seja, estamos condenados ao miserável e infrutífero "diálogo com as bases petistas" como se ela de fato existisse e pudesse, no limite, ser disputada pelo PSOL!!! A ingenuidade é tal que a "base petista" é considerada objeto cuja existência é perpétua, apenas esperando um discurso sedutor para captá-la e jamais sujeito a violenta flutuação num período cujo fundamento é a guerra de classes contra nosso povo.

Enquanto Ciro Gomes não perde oportunidade para descolar sua imagem do petismo e da podridão do falecido sistema petucano, no PSOL, ao contrário, há quem acuse qualquer crítica ao PT como expressão do "antipetismo", como se a crítica à podridão ética, política e moral do PT fosse sempre e em qualquer momento uma arma da direita! A recusa em indicar claramente a podridão moral e ética do PT e seus principais dirigentes segue levando água para o moinho da direita na medida em que esta opera com a arma da redução da política à moral e segue capitalizando a podridão moral da república como se não estivesse implicado nela. É assim que a maioria debilita o PSOL como via de superação radical do fracasso histórico do petismo; da mesma forma, neste caminho, ainda de maneira involuntária, oferecemos argumentos para todo aquele que com má fé julga o PSOL um mero "puxadinho do PT".

Finalmente, a resolução aprovada pela maioria cria um GT encabeçado por Boulos destinado a discutir um programa para as disputas eleitorais em 2020 nas principais capitais do país e será "monitorada" pela executiva do Partido. Eu recordo a entrada de Boulos no PSOL, no dia anterior ao prazo legal permitido pelos tribunais para ele concorrer às eleições pelo PSOL. O discurso de Boulos era basicamente orientado por dois propósitos. O primeiro indicava que a esquerda não deveria "falar para os convertidos" e o segundo - especie de imperativo de ordem moral -, deveria ter "os pés sujos de barro". Pois bem, Boulos, há poucos meses agarrou o caminho das universidades para "falar aos convertidos", bem longe dos terrenos onde poderia sujar os pés de barro do tempo em que visitava ocupações. Não há surpresa na virada, obviamente. O fracasso eleitoral da operação que considerava o candidato presidencial do PSOL uma liderança do "maior movimento social" existente no país foi anunciado por mim no Rio quando pudemos, finalmente, debater algo sobre o destino do país e do PSOL. Agora, o mesmo Boulos cria um Instituto - tal como Lula!! - repetindo a catástrofe de um procedimento destinado a sabotar as instancias do Partido.

Resultado de imagem para troco tudo por voce fotos
A impotência em ação

Não era necessário ser vidente para anunciar o fracasso do PSOL na disputa presidencial, agora uma obviedade para muitos desavisados. A tese que sustentou a candidatura presidencial em nosso partido é antiga, embora não reconhecida pela juventude de nossas filas. A ingênua e nociva ideia segundo a qual uma liderança de movimento social poderia atrair a atenção eleitoral e marcar uma diferença política apareceu num livro recebido como maná pelo autonomismo antipartido no final da década de oitenta (1988) pelas mãos de Eder Sader. (Quando os novos personagens entram em cena). A simpática tese, obviamente uspiana, tinha como propósito a negação da função dirigente do partido, como se a luta política se resumisse ao esforço para unir movimentos sociais e "avançar socialmente" sem jamais tematizar a conquista do poder político. Nesse contexto, o partido político aparece como mera soma de movimentos sociais sem o influxo da luta de classes, das crises econômicas graves como a que sofremos agora e sem densidade e passado histórico nacional.

Ora, foram "teses" como essa que ajudaram no fracasso histórico do petismo, iludido com as possibilidades sempre passageiras de avanços sociais no interior da ordem burguesa e agravados pela podridão ético-moral de algumas dezenas de parlamentares ávidos por buscar um lugar ao sol nos marcos de um sistema que julgavam eterno e sob "hegemonia petista". Nós, do PSOL, não podemos esquecer tão rapidamente essa amarga experiência que, ao fim e ao cabo, amplos setores sociais debitam na conta da "esquerda" mesmo quando podemos exibir atestados de muitos anos na oposição ao sistema petucano. No entanto, o inesquecível "boa noite presidente Lula" num debate presidencial, as sucessivas visitas a presídio em Curitiba, a criação de um instituto nos moldes da pior prática lulista, representam adesão tardia e catastrófica de uma linha que compromete o futuro de nossa luta e de nosso partido. A política de aliança agora esboçada é igualmente um grave erro que nos coloca na vala comum do petismo em nome de pequenas vitórias eleitorais ainda incertas e, no limite, pouco prováveis.

No momento em que votávamos essa catastrófica linha eleitoral, a convocatória da direita fracassava no Brasil inteiro; tal como indicamos, o projeto do proto fascista terá imensas dificuldades para constituir uma base de massa no contexto do projeto ultraliberal conduzido por Paulo Guedes e a camarilha de banqueiros que nos governa numa inédita e excepcional coesão burguesa. (https://nildouriques.blogspot.com/2018/09/o-segredo-de-bolsonaro-reflexao-sobre.html). A concepção parlamentar de política acredita que nada será fácil para Bolsonaro tomando como medida o humor dos deputados e senadores como se eles pudessem ditar o ritmo da luta de classes. Ora, é precisamente a luta de classes que dita o humor do deputados e senadores. Sem vacilação: tudo o que a coesão burguesa pretende será aprovado no covil de ladrões chamado Congresso Nacional. Tudo! Alegar que a proposta original não passa, que não sera como a avenida paulista deseja, não passa de conversa mole. O ideal ideológico do ultraliberalismo não pertence a este planeta e um regime de capitalização -  para dar apenas um exemplo - não sera instituído de golpe. A burguesia já fala de "colapso fiscal" por meio de um batalhão de economistas e da imprensa monolítica destinada a manufaturar a opinião pública em favor da austeridade permanente. Depois de mim o caos!!!! Enfim, indicar o covil de ladrões como um obstáculo de resistência contra o ultraliberalismo não é senão um meio de afirmar o cretinismo parlamentar envergonhado dominante no liberalismo de esquerda. 

A resolução do PSOL aprovada contra meu voto (a única abstenção), é de um otimismo ingênuo sem medida e, tal como a anterior, será vencida pela vida. A maioria seguirá afirmando que "não há alternativa" e qualquer outra opção é irrealizável. Essa ingenuidade custará caro ao país e ao partido. A dinâmica da crise atropelará impiedosamente a linha dominante.   

O PSOL perde nova oportunidade, cativo de ilusões próprias e alheias. Ora, no essencial, as classes subalternas estão carentes de referencias críticas. Nesse terreno, Bolsonaro continua operando como se, de fato, fosse uma força antissistêmica, aparecendo como um presidente obrigado a ceder diante do covil de ladrões (Congresso Nacional), exalando críticas ao STF, denunciando a mídia monopólica, atacando os comunistas... Enquanto isso, o batalhão de economistas alerta cada dia com maior insistência para o "colapso fiscal" do país e, assim, sedimenta o terreno para o ultra liberalismo assaltar o estado na mesma medida em que multiplicam o sofrimento de milhões empurrados sem remissão para o abismo social de uma vida afundada no desespero e na humilhação permanentes. 

Na mesma medida, o protofascista Bolsonaro segue indicando quem é a oposição: para a coesão burguesa o petismo é a oposição! O "velho sistema corrupto" é a oposição! O grau de liberdade que Lula já ganhou e tende a explorar ainda mais com entrevistas ou, quem sabe, com prisão domiciliar, não fará mais do que aumentar a polarização tão conveniente para o protofascista quanto para o liberalismo de esquerda encabeçado pelo PT. O que restará ao PSOL senão a marginalidade político-eleitoral e, no pior dos casos, o triste papel de "consciência crítica" do decadente petismo? Esse é o futuro sombrio que a maioria do DN reserva ao PSOL!


domingo, 14 de outubro de 2018

Sobre o ódio e a tolerância na politica

   Não é fácil ranger os dentes no terreno da política, reconheço. Mas não haverá outra saída para nós. Em termos sociais será lenta a reconstrução de um sentido e sentimento classista, a afirmação de uma identidade de classe, aquela mesma que era apresentada como ultrapassada pelo pensamento conservador e reacionário, que iludiu muita gente boa. No entanto a pressão que se exercia socialmente nos sindicatos combativos, na defesa partidária do socialismo, era, mesmo quando pálida, a unica capaz de tornar mais aceitáveis e racionais todas as desavenças pessoais e justificar, em ultima instancia, o ódio individual ao vizinho de porta ou de bairro. E agora?
dezembro de 2014



Advertência
Há alguns anos ouço a denúncia contra a "política de ódio" e os apelos abstratos à tolerância e ao amor como instrumentos necessários da política. Neste processo eleitoral de 2018 o lamento aumentou a ponto de tornar-se não somente inútil eleitoralmente mas inclusive exibição de traço infantil nas disputas sociais. O artigo abaixo escrevi em dezembro de 2014, véspera da eleição de  Dilma Rousseff para seu segundo mandato, quando votei nulo. Para os que possuem memória seletiva ou rarefeita, recordo que naquela disputa o abuso do adjetivo fascista era bem estendido.

Depois, todos sabemos, Dilma foi destituída e juntamente com Lula desceu a rampa do planalto sem oferecer resistência popular ao que os petistas chamam "golpe". A passividade era manifestação eloquente de impotência política alimentada durante mais de uma década de governos petistas, mas era também o ápice da crise do sistema petucano. Agora, após o tsunami eleitoral em favor do proto-fascista Bolsonaro, esta linha de argumentação em defesa de uma "política sem ódio" ressurgiu com mais força revelando a impotência do liberalismo de esquerda, razão pela qual resgatei o artigo para meu blog. Creio que vivemos o eclipse da inocência política. Torço e trabalho para seja rápido.

A publicação original apareceu na Revista Subtrópicos #14, então dirigida pelo meu amigo Fábio Lopes.


A violência na política
A violência é uma característica constitutiva do Estado e, em consequência, também da política moderna. No mundo moderno, simplesmente não existe política sem violência, razão pela qual tampouco existe  política sem ódio. No entanto, na eleição presidencial brasileira, os dois principais partidos denunciavam a política de ódio do adversário, numa tentativa de legitimação, omo se, de fato, pudesse existir uma "política do bem". O comportamento equivale a clamar por justiça social numa reunião de banqueiros. A redução da política ao ritual da disputa eleitoral cada dia mais previsível levou o Tribunal Federal Eleitoral à proibição da crítica ao adversário como forma legítima de toda atividade política. Neste contexto, tanto o bem comportado comentarista da TV quanto setores das classes subalternas, sentindo-se "desprotegidos" ou "vulneráveis" bradam pelo principio da tolerância, que, segundo a ideologia dominante, deveria reger toda atividade entre os civilizados.
Resultado de imagem para lula paz e amor
Lulinha paz e amor

Há certo invólucro moral no apelo ao amor e ao respeito como regra da política, mas a vitalidade do artificio deve-se sobretudo a operação ideológica pela qual será possível evitar a violência e o ódio numa sociedade organizada a partir do ódio e da violência. Não se trata de determinação atávica, mas de um instrumento sem a qual a política moderna não funcionaria. Em termos vulgares, há certa reivindicação de trato cordial na arena cuja regra fundamental é o conflito de interesses, particularmente acentuado nas sociedades dependentes e subdesenvolvidas, que contara, na esteira da expansão do capital comercial europeu do século 16, com a necessária violência e racismo em sua formação, marca indelével de nossa evolução histórica e de nosso presente incerto.

Nas condições particulares da sociedade brasileira, é preciso reconhecer que, a partir do evanescimento da identidade classista dos sindicatos combativos e dos partidos de esquerda - PT e CUT na cabeça - as classes subalternas ficaram não somente desarmadas para enfrentar o conflito inerente a sociedade burguesa, mas, sobretudo, permaneceremos ativas do discurso liberal - especialmente forte nos setores da classe média -  para o qual não possuem outro recurso senão o apelo retórico à tolerância e ao "fim do ódio", ignorando o caráter utópico do discurso. Contudo, no lado da classe dominante, são setores da classe media que exibem sem constrangimento, com suas mãos delicadas, o ódio de classe contra os pobres, os proletários, contra os camponeses e contra tudo que lhes parece fora da normalidade burguesa ou da sociedade tradicional. Mais grave: no contexto atual, parece que os proletários e os camponeses já não existem, pois o governo petista - com o silencio cúmplice dos tucanos - insiste no caráter classe me'dia da sociedade brasileira. como se Marx não fosse mais do que um retrato na parede, uma reminiscencia histórica talvez lúcida, valente a apropriada para os séculos 18 ou 19 europeus, mas completamente sem sentido na atualidade.

Trata-se da banalização do política como expressão do conflito, para a qual contribuem não somente a renuncia precoce do PT e da CUT ã identidade classista - levando consigo os comunistas e socialista da base aliada - mas também a redução da política a moral (vulgarmente tratada como se fosse uma simples udenicação dos discurso político) cuja bandeira mais importante seria o combate a corrupção. Nesses termos, a tematização da corrupção chegou para ficar porque diz respeito a real degradação dos partidos e, portanto, do governo. Mas chegou para ficar porque a corrupção  é constitutiva do Estado e, em consequência, é impossível ocultar seu caráter sistêmico. Ora, a astucia do monopólio televisivo é clara, pois apresenta a estrutura como se fosse apenas evento! O ódio a corrupção, no entanto, é quase residual em relação aos empresários, pois se destina prioritariamente ao genérico "político". Trata-se, sem duvida, de ardil liberal para não enfrentar o vaticínio de um barbudo suspenso em alguma parede: o Estado é  mesmo o comitê de negócios da burguesia. O político vulgar, o ex-sindicalista, o empresários exitoso, o liberal bem comportado, o acadêmico no conforto do campus e tantos outros podem merecer o desprezo e ainda o ódio da classe média: esse luxo da política não poderá, de maneira alguma, servir senão como álibi para a próxima operação de assalto ao Estado, no qual o capital também acumula.

Consciência e inimigo de classe 
Não é fácil ranger os dentes no terreno da política, reconheço. Mas não haverá outra saída para nós. Em termos sociais será lenta a reconstrução de um sentido e sentimento classista, a afirmação de uma identidade de classe, aquela mesma que era apresentada como ultrapassada pelo pensamento conservador e reacionário, que iludiu muita gente boa. No entanto a pressão quer se exercia socialmente nos sindicatos combativos, na defesa partidária do socialismo, era, mesmo quando pálida, a unica capaz de retornar mais aceitáveis e racionais todas as desavenças pessoais  e justificar, em ultima instancia, o ódio individual ao vizinho de porta ou de bairro. E agora?

Agora resta o confinamento parlamentar do conflito político e o exercício cínico da cordialidade tipica do cretinismo parlamentar, enquanto nossos condenados da terra sangram em silêncio nas favelas e no itinerário do sistema carcerário, no assassinato do líder camponês e nos milhares de mortes violentas tipificadas de maneira conveniente como "violência urbana", seja no transito, seja no boteco da esquina.

Resultado de imagem para lula paz e amor
Perplexidade e inocência na conciliação de classes
Claro que a digestão moral da pobreza é ingrediente necessário da política da tolerância e do amor. Afina, o que pode o minguado bolsa-família num país em que apenas 5% da população concreta quase 50% da renda? A esquerda liberal acredita, de fato, que a cidadania esta em construção quando o índice de Gini se move em décimos? A eliminação de um horizonte utópico - o socialismo - cuja defesa deveria ser feita aqui e agora, alimentou ainda mais o irracionalismo d apolítica  em curso e exibe suas vitimas a luda do dia.

Ódio de classe e fascismo
Em resumo, enquanto o velho ódio de classe desaparece do horizonte dos pobres, dissipando a antiga consciência de direitos, e no momento em que ganha destaque a ideologia da ascensão social nos maricos do capitalismo (seríamos finalmente um após de classe media), é necessário acusar de engodo a possibilidade de fascismo entre nós. Ora, o fascismo é fenômeno histórico que emerge como arma da classe dominante, quando esta já não é mais possível unicamente por meios parlamentares. Não estamos, portanto, as portas do fascismo. No entanto, essa conclusão não autoriza a falsificação histórica, especialidade do jornalismo. Uma ditadura cordial, ou "ditabranda, jamais existiu. A violência e o ódio de classe existentes no Brasil são suficientes para manter as coisas no seu devido lugar, sem necessidade de recurso ao programa fascista, razão pela qual seguirá orientando a ação do Estado e, certamente, contará com a tolerância, a aceitação dos governos e, no limite, a recusa calibradas dos mecanismo institucionalizados da repressão.

Nas condições brasileiras, o mais provável, no curro prazo, é que o rechaço abstrato ao ódio e/ou a evocação abstrata a tolerância naveguem sem obstáculos, ideologia necessária para tudo mude desde que permaneça exatamente igual. Assim, o pressuposto ingenuo de que o Brasil é um país da delicadeza perdida"seguira', também, gozando de popularidade , ainda que não passa de tirada literária falsa. A despeito da delicadeza que ainda podemos encontrar em pessoas, a norma política nos assuntos públicos e mesmo a violência. Enquanto a, maioria aceitar que "um mau acordo é sempre melhor do que o bom combate"- peça do conformismo político sempre apresentada como virtude e sabedoria política -, a política e a democracia serão sempre lembradas como a arte de engolir sapos. De resto, a democracia liberal admite em seu interior a manifestação e o exercício da violência por parte do Estado e das forças sociais comprometidas com a ordem dominante. Não há anomalia alguma, muito menos ovo de serpente, quando um liberal desavisados ou grande parte da esquerda domesticada  acusa que o ódio e a violência estão saindo dos trilhos. O antidoto real para os "excessos" produzidos pelo liberalismo não brotará da consciência social sem dentes para morder implícita na defesa dos pobres, mas de um projeto de classe - o socialismo - e o correspondente movimento de massas em sua defesa.

Resultado de imagem para a revoluçao brasileira fotos


O texto original pode ser visto abaixo na versão eletrônica da Subtrópicos
(https://issuu.com/ayrtoncruz/docs/subtropicos_n14)


domingo, 7 de outubro de 2018

Gracias a la vida

Cid Benjamim escreveu Gracias a la vida. Memórias de um militante para dar alguns recados a todos nós. Eu não pertenço a sua geração mas tenho plena consciência de que ao abrir seu baú de memórias ele despejou sua herança sobre nosso destino sem pedir licença. Ademais, estou convencido que o militante das causas atuais não pode ignorar este inventário pois contém passivos que também são nossos, queiramos ou não.

Marx, num texto de inigualável riqueza literária, afirmou que "a tradição de todas as gerações mortas pesa sobre o cérebro dos vivos como um pesadelo". O alerta do genial mouro pretendia evitar que em tempos revolucionários os vivos não permitissem que os "espíritos do passado" pudessem, com o auxílio da velhice venerável, representar a nova cena histórica que emergia debaixo de nossos narizes com a força inexorável dos tempos de crise... Ocorre que Cid esta "vivo e coleando", como ensina aquele mexicanismo tao delicioso quanto útil para os que lutam e peleiam aqui e agora. Gracias a la vida não é, portanto, livro de quem bateu em retirada e pretende enviar mensagens em garrafas desde a autoridade da velhice venerável. De minha parte, não creio em velhice de ninguém, menos na de Cid. Gracias a la vida é livro militante, repleto de intenções. Portanto, leve a serio o subtitulo e não julgue tratar-se de testamento, pois Cid esta na ativa.
Resultado de imagem para fotos de Jano o deus grego

Além de ter recebido o livro das mãos generosas do autor, eu acuso nestas linhas que nada pode ser pior do que a indiferença daqueles que estão ao alcance de nossos olhos mesmo consciente que a grande maioria dos autores que estudei jamais tomarão café comigo. Nem vinho. Li o livro em poucos finais de noite, em tempo não superior a uma semana, O trabalho, a política, a vida enfim, autorizou tardiamente este comentário. É tarde, bem sei, mas ainda é tempo.

Não serei exaustivo e longe de mim apresentar a obra; valorizo a polemica pois sofremos um tempo orientado pelo bom mocismo, de profundo desinteresse pela leitura; escrevo também porque observo por parte das novas gerações um esquecimento sobre as décadas passadas como se, de fato, aqueles anos ora badalados como rebeldes, ora ditos de chumbo, jamais tivessem existido.

Há, portanto, uma crônica da solidão na livro de Cid quem jamais renegou a luta armada embora afirme que o caminho político escolhido por ele e seus camaradas de armas representou um erro para sua geração. Não um erro qualquer, pois a opção pelos ferros contra a ditadura foi pago com sofrimento, tortura, mortes e longos anos de exílio (9 anos e três meses). Cid não é Gabeira, vamos ao ponto. Quanto ao nosso personagem, creio indispensável constatar sua bravura diante da tortura e, a despeito dos horrores inerentes, o relato com fino humor; definitivamente, um traço de afirmação de humanidade diante da barbárie.

Os recados da Historia
Os anos sessenta tem muitos encantos e enganos, não é matéria fácil. A classe dominante lançou mão da ditadura cívico-militar para derrotar o nacionalismo reformista de Jango e Brizola entre nós na pretensão de execrá-lo para sempre. As novas gerações, estas mesmo que frequentam o PSOL são muito pouco inclinadas a cultura nacional e ao apreço pela Historia. Em larga medida, em nosso partido - do Cid e meu - a História muitas vezes parece não existir e a luta política não raras vezes insinua-se como se tivesse iniciado com a rebeldia de alguns parlamentares em relação ao fracasso petista. É engano grave, consciência ingenua. Estamos avançando, ainda que no ritmo de nossa enfadonha lentidão.

Aos mais novos, informo que não há medo ou ousadia que o jovem Cid não tenho vivido: dos assaltos a banco ao sequestro do embaixador estadunidense - provavelmente a mais espetacular ação da luta armada - na qual empenhou grande energia e não menor carga utópica. O sequestro do embaixador gringo, por exemplo, nasceu por puro acaso, você poderá conferir; ademais, teria sido um retumbante sucesso não fosse Gabeira esquecer num restaurante o paletó feito a medida para Cláudio Torres, quem era nada menos do que o chefe militar da operação, não obstante ter vida legal. Na noite seguinte da negligência de Gabeira, Claudio foi preso em sua casa por agentes do Cenimar, sofreu torturas e manteve-se íntegro durante os setes anos de cárcere. Mas há muitas outras operações "menores", pois ao longo de 1969 ele participou "de mais de dez assaltos a bancos ou carros de transporte de valores, além da tomada de metralhadoras de policiais ou sentinelas das Forças Armadas, e do roubo a mão armada de dezenas de carros."

Qual o balanço da luta armada? Bueno, Cid Benjamim a reivindica porque compreende a decisão da juventude de tomar as armas na luta contra a ditadura como aquela típica fisgada num membro que já perdeu. Gosto do relato e do balanço final embora é muito provável que Cid não tenha lido Marini, quem fez rigorosa avaliação da luta armada (Subdesenvolvimento e Revolução), melhor do que aquela de Jacob Gorender (Combate nas trevas), talvez o mais conhecido livro sobre o período. Na real, Cid endossa com a densidade da experiência a crítica devastadora de Gorender ao PCB sob controle e influência de Prestes. O relato é tão bem feito que o leitor entra na trama e começa a pensar que, ao final do capítulo, terá que votar na célula em favor de um dos bandos nas intermináveis e inevitáveis divergências sobre o futuro imediato.


No exílio
Chile, México, Cuba e finalmente Suécia. No exílio, recomenda Cid, "a pessoa deve se integrar ao lugar em que está". O filósofo Adolfo Sánchez Vázquez recomendava após alimentar falsas ilusões sobre a eminente volta a Espanha enquanto vivia no México - que somente ocorreria duas décadas depois - que após muitos anos de exílio a vida ensinou que não importa onde estamos mas como estamos; são duas recomendações uteis. No entanto, creio que o curto período vivido na maior ilha do Caribe deixou grandes lições à Cid, maiores talvez do que o longo exílio sueco pois a diferença da realidade é abissal e o interesse dele pela América Latina e nossos dramas e possibilidades estão presentes vivamente em seu relato. "O  capitalismo escandinavo não tem nada a ver com o que conhecemos no Terceiro Mundo", anuncia. Enfim, o exílio europeu não amoleceu o caráter e as convicções do camarada como com frequência ocorreu com tantos outros, seduzidos pelas novidades das sociedades opulentas. Não obstante, a gratidão aos suecos é tão clara quanto aos demais povos que o receberam mas o interesse especial pela Pátria Grande, creio, domina o texto. 

Resultado de imagem para livro do Cid Benjamin fotos

Bueno, abaixo pistas para despertar a curiosidade e estimular a leitura.

Sobre Lula e Briza
Na campanha de 1989 Cid foi colaborador estreito de Lula e o acompanhou na visita à Brizola para pedir o apoio do gaúcho no segundo turno das eleições presidenciais na qual o líder trabalhista mais lúcido do pré 64 ficou de fora por míseros 300 mil votos. São Paulo matou Briza naquela eleição pois, se a memória não falha, o gaudério não conseguiu 1% dos votos em terra bandeirante. Na disputa contra Collor, segundo Cid, Lula se acovardou. "O medo de ganhar - afirma Cid - tomou conta do candidato". Enfim, Lula amarelou. A sentença sobre quem seria melhor para enfrentar Collor de Melo não deixa dúvidas: "só tempos depois me dei conta de que, para o país, isso teria sido muito melhor. Apesar de seus defeitos, Brizola não se deixaria humilhar por Collor. Saberia se impor, colocar o playboy em seu devido lugar e venceria as eleições."  No entanto, este não seria o único erro grave do PT adianta o autor. O lançamento de Gabeira contra Darcy Ribeiro na disputa pelo governo do Rio em 1986 deu a Moreira Franco a vitória porque não existia ainda os dois turnos. Cid afirma que Gabeira "não podia ser comparado a Darcy - um dos maiores brasileiros de nossa época... A candidatura de Gabeira ajudou a dar a vitória ao direitista Moreira Franco." É bom ouvir Cid indicando para as novas gerações o quanto as novidades libertárias a época exibidas pelo desbunde de Gabeira representavam o falso brilhante.

Há também um elogio tardio e justo ao Briza feito por Milton Temer e apresentado por Cid: o golpe de 1964 poderia ter sido evitado se o fator subjetivo - a ousadia de Brizola demonstrada em 1961 - tivesse sido encampada por Jango em 1964. Jango, sabemos, não resistiu. Baita lição! No Brasil, a tradição nacional rende-se fácil as novidades embaladas pela indústria cultural e a política encomendada dos centros metropolitanos. Vale acompanhar a crônica e também a autocritica honesta de Cid sob as escolhas daquele tempo que, aos olhos da novidade, pareciam acertadas e, desde uma perspectiva histórica, revelaram-se um desastre. É um útil alerta a juventude do PSOL mas temo que tal como nos anos juvenis do PT não serão tomados em conta. A experiência, somente ela, comanda nossos passos e, muitas vezes, nem ela...

Resultado de imagem para lula e brizola

As pendengas políticas entre Lula e Briza relatadas por Cid e a completa ausência de reflexão sobre a questão nacional e o nacionalismo - tão importante no marxismo europeu e latino-americano - produziram entre nós não somente equívocos decisivos mas também impediram a solução de questões centrais do programa e da práxis política nas décadas passadas. Este bloqueio ao debate sobre o nacionalismo, produzido pela presença de acadêmicos e intelectuais paulistas oriundos da USP, com seu cosmopolitismo bocó e alienante, é cúmplice de muitas de nossas misérias. O PSOL é, lamentavelmente, tributário desta herança e precisa entender este problema pois, caso permaneça este buraco, trilhará o caminho da repetição fatal.

As memórias familiares também aparecem e, sem minimizar o exemplo da professora primária Iramaya, creio, reluz a influência paterna do "velho coronel" Ney Benjamim, o "nacionalista socializante" e admirador de Jango e Brizola. "Meus pais eram de centro-esquerda", recorda Cid. Há, segunda creio, num envolucro de saudade inevitável, a certeza de Cid de que seus pais se orgulharam das opções tomadas pelos filhos e não atuaram somente na defesa da prole, especialmente nos dias mais difíceis e incertos no período de auge da repressão e tortura.


A tragédia petista
A origem da tragédia petista que culmina com a melancólica prisão de Lula tem no livro antecedentes importantes contados com riqueza de detalhes e ótima análise política. A primeira denuncia grave contra os donos do PT não foram oferecidas pelas delações de gente como Palocci mas por militantes de comprovado compromisso com a luta em nosso país. O relato das denuncias oferecidas no interior do PT por Paulo de Tarso Venceslau, quadro importante da Dissidência Universitária do PCB em São Paulo quem se deslocou ao Rio para o sequestro do embaixador estadunidense, atestam que nas origens, o PT tinha gente muito boa. Paulo de Tarso também foi preso e barbaramente torturado em 1969 cumprindo pena até 1974. Foi precisamente ele quem denunciou ao partido, longe da imprensa, nos fóruns adequados os graves indícios de corrupção (o caso CPEM). O relato minucioso releva até que ponto a degradação moral da alta cúpula petista chegava, fato que somente mais tarde e apenas marginalmente, seria reconhecido de maneira tímida por alguns de seus dirigentes muito antes que o judiciário sob comando de Sergio Moro inciasse a perseguição a Lula. Todos aqueles que com razão rechaçam a caça de Sérgio Moro a Lula, devem ler e julgar as palavras de antigos militantes na trama que levou ao assassinato de Celso Daniel e a resistência existente no interior do PT contra a corrupção que seria logo abandona para o partido assumir uma razão de estado. É episódio premonitório e muito importante. Segundo Cid, "Lula não aceitou o relatório da comissão Bicudo-Cardozo-Singer. Atropelou o partido e, por exigência sua, o trabalho foi desconsiderado sem ter sido avaliado pelo Diretório Nacional. Uma segunda comissão, com integrantes escolhidos a dedo, foi montada para reexaminar as denúncias. Como esperado, ela concluiu pela falsidade das acusações e recomendou ao diretório a expulsão de Paulo de Tarso do PT, o que aconteceu em fevereiro de 1998." Que tal? Barra pesada este relato.

Estes episódios revelam que nem tudo começou com o juiz Sérgio Moro e seu ativismo político. Há cadáveres no armário que o pragmatismo petista, rasteiro por natureza, a serviço de uma razão de Estado e apresentado como racionalismo possível, cedo ou tarde cobraria seu preço. Um partido que não trata de suas misérias será, inexoravelmente, tragado por elas.

Passado e futuro
O esquecimento é uma tragédia. A luta no PSOL padece desta grave limitação: a memória histórica é rarefeita! É possível - apenas possível - que o partido cresça com a crise e amadureça em poucos meses tudo que não amadureceu em anos de existência. Em 2005, após a decepção completa com o PT, Cid ingressou no PSOL: "... ao contrário de alguns correlegionários, não penso que o PSOL possa ter um crescimento exponencial ou um desempenho decisivo na política brasileira num futuro próximo, As condições não permitem. A conjuntura é muito diferente da que existia quando o PT foi fundado, em 1980. Naquela ocasião, havia um vazio na esquerda, e a sociedade saia da ditadura com enorme ânsia de participação política."

Bueno, quando meu camarada de partido escreveu estas linhas corria o ano de 2013 e o petismo sem brilho na estrela comandava o pragmatismo burguês e alienante que o condenou para sempre. Agora, a ação do tempo criou um cenário totalmente novo. Cid pensava que no dia em que o PT não mais estivesse no governo federal, o lulismo e seus satélites estariam obrigados a um "ajuste de contas interno", fato que não ocorreu e, em minha opinião, jamais ocorrerá. As memórias podem conter autocrítica e análises desinteressadas, mas um partido submetido a razão de estado não permite este luxo. O petismo seguirá incorrigível e submetido aos interesses de uma burguesia decadente e brutal em nome da caridade que pretende destinar a maioria do povo. Atua, portanto, como intermediário entre os interesses da classe dominante que simula enfrentar e o apaziguamento da rebeldia inerentes as classes populares sumidas no abismo social em que nos encontramos. No entanto, nada desabona o livro pois errar nas previsões e/ou avaliações é próprio de quem se implica na luta e não esconde seus desejos. 

A propósito, o livro esta repleto de pequenas confissões e importantes auto-criticas; mas não há autoflagelação, atitude religiosa comum, origem de danos irreparáveis na política. As opções de um tempo em que se decidia na lógica das situações extremas obriga a leitura das memórias militantes. As insuficiências teóricas, a falta de análise rigorosa em determinados períodos, as lições que o caminho tomado oferece e sobretudo como é possível manter-se integro e jogar a vida em suas opções, constituem recados do livro que devem ser tomados em consideração, especialmente agora, diante da ingenuidade política que domina os ambientes de esquerda no país. Portanto, os impasses atuais e nossas limitações políticas e intelectuais obriga certa humildade no juízo das lutas passadas relatadas por nosso camarada pernambucano que se fez carioca.
Resultado de imagem para cid benjamin na volta do exilio fotos
Alguém pode ser consequente aos 21 anos? Esta provado que sim. Cid indica que não há razão para a renuncia cínica do passado censurando os chamados "erros de juventude". É preciso certa dose de heroísmo na política, artigo em falta nos tempos atuais quando a tribuna do parlamento parece seduzir a todos como se esse fosse o único jeito de "lutar". A despeito das pequenas conquistas, dos fracassos e das apostas que não resultaram, é preciso entender que a glória chega para poucos e, ainda assim, será passageira. Pensem no Che, em Ho Chi Minh, Emiliano Zapata ou Salvador Allende. O segredo da política jamais poderá ser encontrado na superfície das lutas eleitorais. Nem no conforto eventual de pequenas glorias passadas. O segredo da política esta na solução do conflito que virá e das próximas opções, muitas vezes já sob a mesa ainda que não somos capazes de percebe-lo. Gracias a la vida, o livro das memórias militantes, ajuda e muito nesta lenta e necessária descoberta de nosso passado recente. Leia! Ao contrário dos autores de moda que nos invadem pela força da industria cultural e do colonialismo intelectual, você ainda tem a enorme vantagem de bater na porta do Cid e tomar um café com ele bem ali em Botafogo.

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

A encruzilhada




Nos últimos anos o país caminha para a lógica de situações extremas embora na lentidão típica de nosso processo político o drama se desenvolve de maneira quase imperceptível. Ainda assim, vez por outra, o espanto balança o espirito do eleitor progressista e o desespero emerge. Nesta semana, as pesquisas eleitorais produziu em muita gente boa o espanto e a angústia pois o processo eleitoral finalmente ficou dividido entre Bolsonaro e os demais. Bolsonaro pode vencer. No entanto, para além das pesquisas, há sinais mais importantes que indicam a rápida adesão de todas as frações do capital ao office boy dos Estados Unidos. As igrejas evangélicas fecham com o deputado. Amplos setores das classes médias e também no proletariado aderem sem vacilação ao proto-fascista.

As jornadas de junho de 2013 (ainda hoje considerada pelo petismo como ação da direita!) e a destituição de Dilma foram eventos eloquentes a respeito da lógica das situações extremas mas a narrativa do liberalismo de esquerda venceu e impediu avaliação lúcida. A vitimização tipica do discurso petista capturou a consciência nos limites da ingenuidade e impediu a percepção de que algo mais profundo estava mudando rapidamente. O sistema petucano apodrecia, mas a narrativa petista "contra o golpe" chamou para si a representação do sistema e o tucanato na oposição até fortalecia o sentimento anti-petista como se, de fato, este fosse o epicentro da crise. Não era, como alertamos muitas e repetidas vezes.

No entanto, a guerra de classes - aquela mesma que na luta pela terra mata dezenas de sindicalistas todos os anos no campo - tinha sido declarada de maneira aberta. O ajuste de Dilma foi a maior evidência nesta direção mas o liberalismo de esquerda não podia admitir que as medidas impostas por seu governo eram consequência necessária da dinâmica da acumulação de capital inerente ao rentismo dominante que, com incorrigível oportunismo, o PT pretendia governar de maneira mais competente que os tucanos. A narrativa do "golpe" construiu um mundo imaginário, aparentemente confortável para a paralisia das classes subalternas, mas não para as classes dominantes. A denuncia do golpe exauriu-se no processo eleitoral porque ninguém - rigorosamente ninguém! - defendeu o governo de Temer. A crise social é o fato mais importante do processo eleitoral e não o governo Temer. A propósito, a "denuncia" do golpe era, na prática, um meio para evitar a avaliação crítica e a condenação sem cerimonia do governo petista dirigido por Dilma. Enfim, o bordão "fora Temer" e a condenação ao "golpe" não rende no terreno eleitoral e menos ainda na construção de uma alternativa a miséria petucana. 

Afinal, Bolsonaro pode vencer?

O diagnóstico da crise nem passa na cabeça dos poucos estrategistas pensantes do PT e seus satélites. À esquerda do petismo decadente, tampouco há consciência plena do solo em que pisamos. Ignora-se e despreza-se a análise séria sobre o capitalismo dependente em sua fase rentística. Assim é impossível perceber a profundidade da crise e suas graves consequências para a classe trabalhadora e o futuro da nação.

O tempo, agora, se acelera. O profeta petista mais popular julga que com a "razão e o amor" se poderá enfrentar a ameaça daquilo que chamam fascismo. As esperanças de reconstituir parte do paraíso perdido com a eventual eleição de Haddad também está sob suspeita, até mesmo para os mais entusiasmados. As lágrimas do profeta petista que "teoriza" sobre a ralé denunciam a angústia na alma e a impotência do acadêmico engajado.

Enfim, Bolsonaro pode vencer.

Por que Bolsonaro pode vencer? 

Por que as forças fascistas são maioria na sociedade brasileira? Não, mil vezes não! 

Há razão mais elementar para o crescente apoio eleitoral (e político) a Bolsonaro: o povo esta cada dia mais irado contra o sistema que nos domina e o processo eleitoral não foi capaz de produzir a politização necessária para reverter o avanço do ultra liberalismo e, de fato, nem poderia. Não basta declarar que o "sistema faliu" tal como sentencia o bom mocismo no interior da esquerda. Era preciso dizer claramente que FHC e Lula, o sistema petucano, seus políticos e empresários, são responsáveis diretos pela crise e devem ser tratados como tal. 

A necessidade de um novo radicalismo político que defendi no PSOL durante meses não foi acatada. Venceu a ideia de que deveríamos "dialogar com a base do petismo" no suposto que poderíamos tirar nossa lasquinha do espólio lulista elegendo alguns deputados e eventualmente até mesmo senadores. No entanto, a narrativa do golpe fortaleceu as filas petistas e ocorreu inclusive sua recomposição eleitoral e parlamentar.

Bueno, enquanto os partidos de esquerda evitavam a crítica a Lula e ao sistema em seu conjunto, deixamos o monopólio da crítica para a direita. 

E a direita avançou eleitoral e... socialmente. 

Há, portanto, algo mais grave do que o crescente apoio eleitoral a Bolsonaro. Milhões de proletários, trabalhadores, pequenos comerciantes e autônomos, são agora, no momento em que termina a campanha presidencial do primeiro turno, cativos do discurso do deputado que lidera as pesquisas. Bolsonaro avança porque ataca o sistema em seu ponto mais sensível: a corrupção. E o sistema é, de fato, corrupto. Bolsonaro ataca o Estado e a deficiência crônica dos serviços públicos e, de fato, tal fenômeno é real. Bolsonaro atua no fortalecimento da alienação e da consciência ingenua e não encontra antídoto em nossa trincheira de luta pois basicamente as forças progressistas obedecem ao espirito de Poliana, buscando o lado positivo em tudo... Assim, lentamente, Bolsonaro construiu um cenário favorável: quem esta contra o sistema é bom; quem esta a favor do sistema é mau.

Imagem relacionada
A eterna luta entre o bem e o mal
O desespero do militante sindical, do petista sincero que arregaçou as mangas e foi disputar o voto na rua, de setores das classes médias com inclinação e/ou sentimento de "esquerda", aumenta com o passar das horas. Um pressentimento lhe diz que algo saiu errado. É possível afirmar que seu pressentimento esta correto pois algo grave esta sob a mesa.  

Agora, nos estertores do primeiro turno, avizinha-se uma situação clara: afinal, votar contra ou a favor do sistema? 

Amplos setores sociais identificados com Bolsonaro julgam que o deputado proto fascista a serviço do ultra liberalismo estadunidense é uma  candidatura contra o petucanismo; neste contexto, pouco importa se você e eu sabemos que, ao contrário, ele é o produto mais acabado da podridão sistêmica. Ocorre que ele avança solitário na crítica ao sistema de partidos e não somente despreza como detesta o bom mocismo na política. Ademais, Bolsonaro tem a seu favor a virtual extinção de uma geração de políticos: FHC, Lula, Serra, José Aníbal, Zé Dirceu, Aécio, Garotinho, Cabral, Richa, etc. São distintos, pertencem a bandos diferentes, mas todos estão a serviço da classe dominante e, em larga medida, abatidos eleitoralmente.

No coração do povo existe uma ira justificada. A miséria e a exploração crônica foram "enfrentadas" com a digestão moral da pobreza dos governos petistas, incapazes de atacar o problema pela raiz. Gastou-se tempo e energia naquele projeto infame, orientado por boas intenções e condições econômicas passageiras muito particulares que jamais voltarão. Nesta semana, os apelos contra o voto orientado pela raiva e a política de ódio, simplesmente não possuem força popular pois o abismo social produz justificada ira e ressentimento contra tudo e todos. A ordem dominante não aparece como domínio de classe mas tao somente como ressentimento contra os políticos mais conhecidos. Alckmin despenca. Ciro estanca. Marina merecidamente desaparece... Bolsonaro sobe. 

A classe dominante, os tribunais e a renuncia do ex-presidente a resistência democrática diante da prisão arbitrária impediram a candidatura de Lula; Haddad herdou algo relevante em termos eleitorais, sem dúvida. No entanto, a cada dia esta herança se revela mais débil diante da ofensiva do deputado proto-fascista. Ademais, Haddad agora se encontra em situação incomoda: reivindica uma frente de todos aqueles que "prezam a democracia e a justiça social" contra Bolsonaro. Neste contexto, estará rodeado de políticos da ordem, até ontem considerados luminares da República. Haddad será um defensor da ordem contra o sujeito que ataca a ordem. O bem contra o mal. O cenário ideal pra disputa de segundo turno na estratégia do deputado do "baixo clero".

O ativista desesperado observa que não pode existir dúvidas entre Haddad e Bolsonaro. Grita com energia e redobrada esperança: "todos contra Bolsonaro, podemos vencer"!!!! Mas na consciência popular o ódio de classe contra o sistema cresceu a cada dia e ainda mais durante o período eleitoral. A campanha do primeiro turno que termina na quinta-feira com um debate na Globo (onde mais?), é incapaz de reverter esta tendência, exceto se alguém acredita num golpe de sorte televisivo. Bolsonaro se encontra em situação tão confortável na pesquisa que pode, por isso mesmo, dispensar o palco para seus adversários. A ausência do deputado vítima da violência pode revelar o quanto ele despreza o sistema político e sua liturgia desgastada e simuladora. Você realmente acredita que alguém definiu seu voto a partir de algum "debate" de TV? A disputa eleitoral ganhou nova dinâmica e a pífia audiência dos debates estão demonstrando que os velhos mecanismos marqueteiros não mais movem moinhos. É boa notícia, sem dúvida.

A campanha televisiva foi rápida mas mesmo que tivesse sido longa seria incapaz de traduzir o desespero de milhões. A dor e o desespero de milhões foi instrumentalizada em favor do ultra liberalismo que avançou como nunca no país. O ultra liberalismo é a ideologia dominante e, como a vida demonstra, não admite uma ala esquerda em sua trajetória. O ultra liberalismo eliminou pela raiz o antigo liberalismo, dividido entre uma ala direita (tucana) e outra de esquerda (petista). O petucanismo, como afirmei no artigo anterior, naufragou para sempre!  O ultra liberalismo roubou a cena e chegou para ficar. 

A estratégia de Bolsonaro consiste em potencializar o anti-petismo somente na aparência. O alvo é o sistema e não o PT. O antigo hábito de conciliar interesses sem a participação ativa do povo agora conta com o sentimento popular em favor do programa ultra liberal... Um acerto de contas tão inusitado quanto bom para o rentismo! No entanto, a operação anti-PT é funcional porque obriga Haddad à defesa da ordem, da democracia em abstrato, das regras da civilidade, com seus políticos venais, enquanto para Bolsonaro basta simular sua candidatura como a única alternativa real de "quebrar o sistema" e eliminar seus políticos corruptos. Eis aqui a natureza oculta do anti-petismo denunciado por Alckmin, Marina e utilizado por Bolsonaro. Haddad esta condenado à defesa da "democracia contra o autoritarismo", contra a "ameaça fascista", o velho e surrado bordão da impotente sociologia uspiana. 

Neste contexto, o essencial não é votar em Haddad para evitar Bolsonaro. Essa é a visão superficial, meramente eleitoral do conflito político. A luta de classes em curso indica outra dinâmica: um candidato - Bolsonaro -, apresenta-se cada dia mais como anti-sistema e sua posição será ainda mais confortável no segundo turno. O outro, Haddad, o bom moço da USP e do Insper (!!!), aparece como parte constitutiva do sistema, uma tentativa de modernizar o velho, de reciclar a mensagem desgastada. É assim que o povo vê e, de fato, é assim que a vida é. A banda agora toca no ritmo idealizado pelo deputado proto-fascista.

Chegamos na semana final das eleições e tudo indica que Haddad defenderá o sistema enquanto Bolsonaro atacará o sistema. O sistema é uma podridão imensa e a vala comum dos condenados da terra somente aumenta no seu interior. Aqueles que estão com o sistema serão considerados maus; aquele que critica e promete "quebrar" o sistema, será considerado bom. Logo, Haddad é expressão do mal e Bolsonaro... ungido a posição do... bem! 

As ideologias não podem brigar contra os fatos para sempre, por isso mesmo, desabam. O eclipse do bom mocismo esta diante de nós; emerge o ultra liberalismo e seu encanto sedutor. No entanto, tal como alertou um notável personagem de Shakespeare, as ideias ruins somente se revelam totalmente ruins quando levadas a prática. É preciso pensar o pós eleitoral já e fomentar o radicalismo de esquerda que enfrente sem ponderações a onda ultra liberal e seu enorme potencial destrutivo sem as ilusões da esquerda moderna incapaz de tocar nas questões realmente relevantes da economia, da política e da cultura nacional.  

Enquanto o novo radicalismo de esquerda não vem, a angustia de ontem do militante preocupado parece não ter fim pois a cada nova manhã uma notícia pior para seu cálculo eleitoral emerge das pesquisas e pode ser confirmado nas ruas. Na mais completa ausência de Lenin, sobrou Jessé e  Boaventura. A luta política será sempre por questões concretas e não imaginárias.    

 Resultado de imagem para fotos do dilema social

É neste vácuo que Bolsonaro e Mourão ainda navegam.

A História, sabemos, não tem fim. Este capítulo, tudo indica, esta concluído. Voltemos nossos olhos, nossa atenção e nosso esforço militante para as próximas batalhas. Não há razão para supor que estamos condenados as ilusões que produziram a marginalidade da esquerda no processo eleitoral e no terreno mais profundo da política. Sem as ilusões que nos angustiam, marcharemos melhor. Sem elas, podemos ter algum futuro.

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

O segredo de Bolsonaro (reflexão sobre a ameaça fascista no Brasil)

A saída desse circulo é muito simples: do fato de o liberalismo burguês, por medo do movimento operário ascendente e de seus objetivos finais ter exaltado o último suspiro decorre apenas que hoje, justamente, o movimento operário socialista é e pode ser o único suporte da democracia; não que os destinos do movimento operário socialista estão ligados aos da democracia burguesa, mas que inversamente os destinos do desenvolvimento democrático estejam ligados ao movimento socialista; que a democracia não se torna capaz de viver na medida em que a classe operária abandona sua luta emancipatória, mas, inversamente, na medida em que o movimento socialista  se torna suficientemente forte para combater as consequências reacionárias da política mundial e da deserção burguesa; que quem deseja o fortalecimento da democracia também precisa desejar o fortalecimento e não o enfraquecimento do movimento socialista e que, com o abandono dos anseios socialistas, também soa igualmente abandonados o movimento operário e a democracia
Rosa Luxemburgo, 1899




Não é fácil superar ilusões. No entanto, sem renunciá-las não se vai adiante. Numa aguda análise das revoluções de 1848 na Europa - ano de publicação do Manifesto - Marx escreveu em 24 de dezembro ao seu amigo Fred que "o grande fruto do movimento revolucionário de 1848 não é o que os povos obtiveram senão aquilo que perderam: a perda das ilusões".

As ilusões do liberalismo de esquerda - o "combate à pobreza", a "inclusão social", "os avanços sociais" de governos progressistas nos marcos do capitalismo dependente - e outras quinquilharias destinadas a justificar no terreno moral o acomodamento produzido pela conciliação de classes, derretem feito sorvete sob o sol tropical. Em consequência, tanto os liberais de direita quanto os de esquerda exibem suas misérias. No entanto, as ilusões inerentes à conquista do reino da felicidade neste vale de lágrimas ainda parecem sólidas e insinuam-se capazes de mover o moinho. Os primeiros, à direita, indicam a crise dos valores como fonte de nossos males, razão pela qual operam a redução da politica à moral e turbinam sua fé na ação restauradora dos tribunais, como se juízes pudessem dar um jeito nesta joça; os segundos, reunidos em torno do PT e Lula, indicam que o sistema político necessita urgente reforma para superar a “mais grave crise institucional" inaugurada a partir da destituição de Dilma Rousseff em 2016. Ambos querem a melhoria do sistema e, cada qual a seu modo, aspira a restituição das virtudes da democracia. Mas ao contrário da idealização, a democracia é precisamente o regime que temos diante de nossos olhos.

No Brasil, as classes dominantes pretendem insularidade ao escancarar a diferença entre a narrativa política hegemônica aqui e nos demais países latino-americanos. Na Argentina, Equador, Costa Rica, Argentina, Colômbia ou México, ninguém discute a hipótese do fascismo. No entanto, entre nós brasileiros, qualquer medida tomada pelo governo liberal e corrupto de Temer ou ainda a ação de grupos da direita, sempre presentes em qualquer democracia parlamentar, é imediatamente identificado como ameaça fascista. Mas o fascismo não emerge toda segunda-feira, pois é regime político que resulta de intensificação da luta de classes, diante da qual a burguesia lança mão de uma cartada final destinada à eliminação de seu inimigo - o avanço socialista das classes subalternas - como meio radical de alterar por longo período a correlação de forças a seu favor. Nos países da periferia, especialmente na América Latina, é comum confundir os mecanismos "normais" de controle social-estatal com práticas fascistas pois a democracia é regime político de caráter restringido.

Duas moléculas de história
O regime liberal burguês implantado em 1985 resultou da estratégia de "transição lenta, gradual e segura" elaborada por militares, capitalistas e a embaixada de Washington. Não foi processo isento de avanços e retrocessos e naqueles dias, nós, militantes da esquerda, atuávamos sob justificada dúvida: a ala fascista do regime militar perderia ou não o comando da política? O país - muitos se perguntavam - caminhava para a democracia ou sofreria retrocesso com a volta das prisões, desaparecimentos e assassinatos? Não era dúvida existencial, de extração acadêmica ou especulativa. A manchete da Folha de São Paulo do dia 28 de agosto de 1980 pode refrescar a memória sobre o clima daqueles dias nebulosos e o contraste com nossa situação atual: "Bomba do terror causa morte no Rio; OAB, Câmara Municipal e Jornal são atacados"crônica é mais precisa:

"Duas bombas de alto teor explosivo provocaram a morte de uma senhora e ferimentos em outras seis pessoas, ontem, no Rio, em dois atentados ocorridos no início da tarde: um, na sede da Ordem dos Advogados do Brasil e outro na Câmara dos Vereadores. Num terceiro atentado, de madrugada, uma bomba de pouca potência destruiu parcialmente a sala do jornal "Tribuna da Luta Operária", não fazendo vítimas."
Resultado de imagem para fotos explosao na OAB Rio

A lenta exaustão da ditadura cívico-militar produzia dúvidas sobre o futuro imediato em todo militante socialista, obrigando-o a caminhar com angústia na alma. Bomba na OAB e morte de dona Lídia!! Bomba na Câmara de Vereadores? Bomba no jornal do PC do B, todos no mesmo dia? Os fascistas não entregarão a rapadura!! Alguns meses depois, em abril de 1981, o famoso atentado no Riocentro levou à renúncia de ninguém menos que o general Golbery, o estrategista político do regime, defensor da transição ao regime democrático. Naquele contexto, manter a firmeza necessária e a militância não era tarefa fácil, pois os riscos eram bem maiores do que aqueles estampados na manchete do jornal. Afinal, os fascistas seriam derrotados e a democracia venceria ou, finalmente, voltaríamos aos piores dias da ditadura? A democracia venceu, sabemos. A militância de esquerda a qual eu pertencia saía do processo com um sabor amargo porque todos os crimes da ditadura estavam impunes e a dívida externa - de contratação privada - fora estatizada com um canetaço e teria que ser paga com imenso custo social por meio de políticas de austeridade de extração fundomonetarista.

Na verdade, em 1985 a ditadura já não era mais possível e a transição era pra valer. A política externa dos Estados Unidos não mais estava baseada exclusivamente no terror de Estado. A crise econômica, o processo de acumulação de capital e a ofensiva burguesa contra o "gigantismo estatal" anunciava amplo processo de privatização preconizado pelo manifesto dos empresários em março de 1977 encabeçado por Einar Kok, então presidente do Sindicato de máquinas do Estado de São Paulo. A fração da burguesia industrial reivindicava a "volta a democracia" com considerável apoio de outros setores da classe e os capitalistas preparavam o assalto ao estado na "compra" das suculentas estatais e no controle civil do Estado. À esquerda, nós, os defensores da derrubada revolucionária da ditadura, perdíamos espaço para o Partidão que postulava a defesa das "liberdades democráticas" apoiado numa ampla aliança de classe encabeçada pela burguesia paulista. A lembrança daquela época e do clima então dominante me ocorre agora, quando escuto algo acerca da "onda fascista" que segundo alguns, se aproxima com a certeza semelhante àquela que anuncia o amanhecer. Aos que desprezam as lições da história, é necessário recordar que aquela longa ditadura cívico-militar não era considerada um regime fascista, embora suas atrocidades - ainda impunes – tenham sido imensas. Agora, observo que a "ameaça fascista" é denunciada sem análise detalhada, apenas como expressão da angústia produzida pela crise do regime político de petistas e tucanos.

De fato, eis aqui a questão central: o sistema petucano agoniza. Na ausência desse reconhecimento e ignorando o fracasso histórico - programático e moral - do petismo  em mudar o país, tornou-se cômodo e até mesmo necessário atribuir à "onda fascista" todo e qualquer evento, seja a repressão a uma greve, o assassinato de uma liderança popular, a decisão de um tribunal, uma campanha da mídia, etc. Mais do que uma possibilidade real, a ameaça fascista é invocada pela ala esquerda do liberalismo como meio de iludir a bancarrota histórica do petismo e serve também à direita que, se efetivamente ameaçada em seu privilégio de classe, não vacilaria em caminhar rumo à ditadura.

Resultado de imagem para fotos explosao na OAB Rio
A bomba explode nas mãos de militares que preparavam atentado

O espasmo fascista
Na América Latina ninguém pode menosprezar a tentação fascista e, em consequência, não se deve banalizar o fenômeno sobretudo porque em algum momento, quiçá será necessário reconhecê-lo e enfrentá-lo. Aqui e agora, não tenho dúvidas a respeito: não vivemos uma onda fascista ainda que existam manifestações de caráter e orientação fascista.

O liberalismo de esquerda venceu as eleições de 2014 e a presidente Dilma uma vez eleita, desatou a guerra de classes contra o povo aplicando a política econômica de Joaquim Levy que, na prática, resgatava as teses fundamentais do liberalismo de direita, defendido por Aécio Neves, o candidato derrotado. Configurado o estelionato eleitoral, o primeiro grito consistente da direita fascista foi dado pelo General Mourão muito tempo depois, num encontro maçônico. O general - hoje vice-candidato presidencial com Bolsonaro - defendeu o programa ultraliberal em economia e, caso necessário, a defesa da intervenção militar aplicada sob o bordão imprescindível para a sobrevivência na selva: "suportar o desconforto e a fadiga sem queixa e sermos moderados nas necessidades". (http://nildouriques.blogspot.com/2017/10/o-general-no-pendulo-de-washington.html).

A despeito da desinibição do general, as limitações e contradições para o fascismo emergir no país são ainda consideráveis. O fascismo supõe a existência de organizações de massa e lideranças que inexistem no Brasil. É fácil constatar que tanto o MBL quanto o "Vem pra rua" não possuem a capacidade ofensiva e atuam quase exclusivamente na reação ao petismo e a Lula, um adversário tão débil quanto necessário. Ademais, uma onda fascista requer um líder político, alguém com capacidade semelhante àquela de Carlos Lacerda no período pré-64. O deputado Bolsonaro, antecipo, não reúne condições para cumprir essa função, embora as pesquisas eleitorais deste momento despertem temores ao eleitor/militante de consciência ingênua. Portanto, a ausência de organizações de massa e a inexistência de uma liderança consistente, limitam o potencial fascista na conjuntura imediata. Mas há obstáculos ainda maiores.


O caráter classista do fascismo
A coesão burguesa é a característica mais evidente da conjuntura nacional. Todas as frações de classe - o capital comercial, bancário, industrial e agrário - mantêm sólida unidade em torno de um programa de orientação liberal comandado, obviamente, pela fração financeira. Há, portanto, evidente contraste na correlação de forças entre as classes dominantes e as subalternas. Estas atuam na resistência às políticas liberais mas sem unidade política permanente e, mais importante, sem identidade classista. Em poucas palavras, quando possível os trabalhadores esboçam resistência e  expressam certa eficácia (Marcha sobre Brasília) mas seu ativismo não é de corte socialista. Enfim, se a resistência tem sido importante, igualmente visível é a falta de consistência para preparar e efetuar a ofensiva contra a classe dominante e, menos ainda, para propor alternativa política.

Na medida em que o Plano Real (tucano) se consolidou nos governos petistas, a coesão das distintas frações de classe atingiu o ápice. Hoje a burguesia exige fidelidade à proposta liberal e nem mesmo sua fração industrial residual é capaz de oferecer qualquer resistência significativa em direção oposta. Assim, o desenvolvimentismo de Lula e Ciro representa basicamente uma proposta ilusória em busca de uma classe social impossível de encontrar no país, razão pela qual o lamento em torno da "desindustrialização" e a promessa de "crescimento com distribuição de renda"  ocorre sem produzir qualquer consequência.   

Tal como o leigo pode perceber, a economia se deteriora e os lucros explodem! O latifúndio tem assegurado a renda da terra navegando na recuperação dos preços internacionais indicados na Bolsa de Chicago. Os banqueiros exibem estratosféricas taxas de lucro ano após ano, com a Selic em elevação ou em baixa. A concentração do capital comercial cresce e os lucros suculentos também. A burguesia industrial fenece sem manifestar resistência, pelo contrário, na mesma medida em que exige maior abertura da economia reivindica políticas compensatórias para sustentar sua incapacidade crônica na concorrência com produtos estrangeiros. O assalto ao Estado não respeita regras! Enfim, a classe dominante anuncia sem vacilação não existir vida burguesa fora do liberalismo extremo. A expressão máxima da coesão burguesa em torno do ideário liberal é o lançamento da candidatura de um funcionário do capital financeiro, Henrique Meirelles, à presidência do país. A "reforma moral' pretendida pelos liberais e anunciada pelo general Mourão necessita candidatos que não cedam ao "populismo" e à conciliação de classes. Meirelles é impotente no terreno eleitoral mas sua presença é garantia de que o liberalismo de direita terá um profeta que não cede aos apelos mundanos inerentes a uma eleição presidencial que se realiza num momento de enorme crise social. Ademais, ele não esta só na cruzada ultra liberal: Amoedo, Meireles, Alckimin, Bolsonaro, Marina...

O liberalismo de esquerda - Lula, Ciro, Manuela e até mesmo Boulos - clama pela restauração de programas sociais limitados, doses possíveis de justiça tributária e respeito ao cretinismo parlamentar, que é incapaz de legitimar o regime politico que apodrece. Não há saída pelas regras do sistema! Não é mais possível restaurar as "virtudes" da democracia. O que acontecerá?
     
O papel da pequena burguesia
Ao contrário da grande burguesia que, repito, exibe enorme unidade política em torno do programa liberal, a pequena burguesia - proprietária e assalariada - indica um comportamento errático, mas de crescente radicalização. Não faz sentido buscar coerência na atuação da pequena burguesia e das classes médias em geral, pois ela oscila de acordo com a intensidade da crise. No entanto o combustível da radicalização das classes médias é duplo: a corrupção e os efeitos nocivos da crise econômica. A corrupção - sempre inaceitável para um socialista! - é igualmente detestável para todos e funciona, aqui e agora, como espécie de justificativa "ética" para o cinismo pequeno burguês, cuja existência está marcada por pequenos privilégios numa sociedade atravessada pela profunda desigualdade de classe.


Resultado de imagem para fotos dos pequenos burgueses
Os pequenos burgueses de Gorki

A direita e a corrupção
A redução da política à moral confere enorme e invejável radicalidade à pequena burguesia na disputa abstrata pelos "valores", pois assim não necessita prestar contas às exigências do mundo real. Portanto, o liberalismo de direita está mais apto para capitalizar o descontentamento generalizado contra a corrupção, na medida em que indica o Estado como origem de todos os males no suposto de que o "setor privado" não é corrupto! Ademais, como sabemos, as massas não fazem distinção entre governo e Estado e culpam o primeiro por seus males. Neste contexto pouco importa se atrás de um político corrupto sempre encontramos um empresário exitoso, afinal a crítica do liberalismo de direita não é dirigida contra os capitalistas (Eike Batista ou os irmãos Batista da JBS), mas aos políticos corruptos comprados por eles e com insistência denunciados no noticiário diário da TV.

A defesa social-democrata do Estado interventor e desenvolvimentista é incapaz de enfrentar a ofensiva liberal de direita no terreno moral, não somente porque minimiza os efeitos perversos do assalto ao estado, realizado à luz do dia por meio da elevadíssima dívida pública, mas, sobretudo, porque o programa liberal de petistas e tucanos tem como pilar de sustentação a compensação estatal com suculenta "ajuda" para as frações perdedoras do capital nacional (e também multinacional!). De resto, o petucanismo não pode dar lições sobre moralidade pública à direita proto-fascista ou neofascista, pois nas suas filas e suas alianças abundam corruptos notórios ou celebridades delatadas prestes a ajoelhar nos tribunais ou mesmo ingressar nos presídios.

Acuado no terreno moral quando as massas descobrem o alcance da corrupção nos assuntos de Estado, o petismo revela impotência na disputa política. Nestas circunstâncias logra apenas simular a reprovação moral ao indicar - nos melhores casos! - que a corrupção é inerente ao Estado burguês, numa súbita e inacreditável análise leninista do Estado e não inocente naturalização do fenômeno. Na realidade pretende apenas ocultar seu protagonismo na maquinaria podre da corrupção entre capitalistas, políticos da ordem e o sistema partidário. No entanto, a despeito da simulação, as massas não esquecem que o êxito petista foi, durante 13 longos anos, beneficiário direto da máquina corrupta. A direita - promotora de tenebrosas transações desde sempre - é tão mais hábil quanto cínica e não perde oportunidade de indicar o PT, e Lula, como dirigente da mais perigosa organização criminosa já operante na política brasileira. FHC, o uspiano, é insubstituível nesta função: emprestou verniz sociológico, de extração weberiana, às teses de Moro ao afirmar que "a corrupção sempre existiu, mas não era organizada pelo sistema político".

A esquerda e a corrupção
Nada pode ser mais pernicioso na política do que a complacência, ou ainda a ambiguidade, na luta contra a corrupção. Ainda pior é considerar o combate à corrupção mero resíduo moralista inadequado à luta de classes. Aos complacentes bastaria recordar que Getúlio Vargas foi acossado até os últimos dias sob a acusação de orquestrar um "mar de lama". Jânio Quadros tornou-se popular também porque "varreria" a corrupção do país. João Goulart e o reformismo nacionalista era igualmente acusado de conviver com a roubalheira. E Collor de Mello, como esquecê-lo? Acaso não atacaria os marajás para redimir o país dos males da corrupção? Após tantos exemplos de nossa História é no mínimo irresponsável abandonar a luta contra a corrupção ou, pior ainda, deixá-la nas mãos do liberalismo de direita sob o "argumento" de udenismo. Não se deve esquecer que quando surgiu na cena política o PT (e especialmente Lula!) tinha no combate à corrupção uma importante bandeira de agitação contra a classe dominante que, lentamente, foi secundarizada e mais tarde completamente esquecida na exata medida em que o partido se submetia à razão de Estado. Não foram necessárias mais do que algumas vitórias eleitorais em prefeituras e governos de estado para indicar a Lula e ao PT que a crítica, e especialmente o combate à corrupção, deveriam ser considerados "erros de juventude" incompatíveis com o "realismo político" de quem precisa governar o país. 

A burguesia opera a redução da política à moral, empurrando o liberalismo de esquerda para a impotência política na exata medida em que novas denúncias surgem e velhas são requentadas segundo a conveniência e cálculo político do juíz Moro. Foi assim que a classe dominante - articulando judiciário e imprensa - afastou de maneira definitiva amplos segmentos da classe média do polo eleitoral representado pelo PT e Lula. No entanto, ainda que importante, não foi esta a cartada decisiva. A ofensiva do liberalismo de direita é resultado necessário do pacto de classe comandado pelo PT em benefício de todas as frações do capital. A eliminação definitiva do horizonte socialista e de certo radicalismo político no partido e nos sindicatos sob sua influência, promovidos pela suposta sapiência de Lula - considerado pelos ingênuos pouco menos que um gênio político -, eliminava no nervo o único obstáculo que as frações burguesas realmente temem: a referência classista e a ação combativa orientada pelo programa socialista. Neste contexto, a acomodação de classe não poderia produzir mais do que as políticas sociais compensatórias – uma digestão moral da pobreza – destinada tão somente a mitigar a dor dos miseráveis sem qualquer possibilidade de superar a opressão e exploração a que estão historicamente submetidos. Esse processo é irreversível e basta observar as alianças que Lula - desde a cadeia em Curitiba - traça com Renan Calheiros, Eunício de Oliveira, Wellington Fagundes e tantos outros personagens que votaram pela destituição de Dilma e eram considerados "golpistas" até ontem na mesma medida em que são absolutamente necessários e justificáveis para sair da crise agora...

A crise social e a pequena burguesia
A despeito dos programas sociais, os dramas da pequena burguesia foram encubados nos governos do PT pois a concentração de renda e patrimonial nunca cessou desde 1994. Em sentido oposto, naqueles anos o bordão preferencial de Lula e Dilma consistia basicamente em afirmar o milagre dos governos petistas responsáveis por "tirar da miséria 40 milhões de pessoas e incluir outros 30 milhões na classe média". A falsificação grotesca da metodologia necessária para garantir essa maravilha pouco importava ao petista militante, e menos ainda à burocracia parlamentar do partido, que colhia os dividendos da popularidade passageira nas urnas. O bordão preferencial de Lula era enganoso em dupla dimensão. Ora, até mesmo a sociologia da ordem ensina que um país de classe média forte é insustentável na periferia capitalista latino-americana dependente. Ademais o discurso presidencial dissipava a consciência de classe dos trabalhadores, pois a entrada na "classe média" representava o acesso ao paraíso sem as dores do enfrentamento com o estado burguês e as classes dominantes. O poder burguês intocável e o número de pobres e miseráveis diminuindo: sem dúvida, o "melhor dos mundos possíveis". De fato o discurso de Lula - como todo político vulgar orientado pelo princípio da justiça social - justificava com a presumida sabedoria do presidente a possibilidade da conciliação de classe desde que, obviamente, "bem manejada". Na verdade a operação política consiste em apresentar a conciliação como fruto do talento de Lula, e não como resultado de uma imposição das classes dominantes que a descartariam sem cerimônia quando necessário.

Eis a razão pela qual Lula foi presa fácil para Moro: sua prisão não representava qualquer ameaça à ordem dominante tal como demonstrou sua melancólica despedida no sindicato dos metalúrgicos de São Bernardo. Quando muito Lula figura como obstáculo eleitoral, que ao fim e ao cabo, caso necessário, a classe dominante estabelece o rumo do governo num acordo tão fácil  quanto desejado pelo ex-presidente. Por isso todas as previsões catastróficas produzidas por seus profetas acerca do cancelamento das eleições presidenciais, golpes militares ou ainda a ameaça fascista são tão descabidas quanto convenientes para o petismo. Essa narrativa é irreal mas não inútil, pois mantém o liberalismo de esquerda cativo dos estreitos limites do sistema, onde cumprirá eternamente a função de denunciá-lo na vã tentativa de melhorá-lo e colocá-lo a serviço dos interesses das maiorias. A recente reativação eleitoral da polarização petucana (Alckmin x Haddad), é talvez a última cena deste conhecido roteiro cujo objetivo é limitar o horizonte político do processo eleitoral. O resultado será visto em poucos meses.

A oposição parlamentar socialista - cujo epicentro é o PSOL - ao defender a política social dos governos petistas e Lula da perseguição de Moro, comete pecado capital: renuncia o terreno da disputa moral para gozo exclusivo da direita liberal. Nesta linha, destinada a assegurar e eventualmente ampliar a bancada de deputados com votos de extração progressista supostamente hegemonizada pelo petismo, troca a possibilidade de constituir-se como referência anti-sistêmica aqui e agora em nome de uma representação parlamentar mais numerosa contra o futuro governo que já sabemos, será liberal. No entanto, a vida não se resume ao parlamento e menos ainda quando o sistema parlamentar, tal como atualmente funciona, entrou em crise terminal.

Os efeitos corrosivos do liberalismo na economia 
Longe do desconforto de ordem moral, a contradição fundamental da pequena burguesia - especialmente a proprietária - é resultado da aplicação cada dia mais intensa do programa liberal responsável pela lenta e inexorável corrosão de suas condições sociais e possibilidades econômicas, reduzindo a distância que a separa dos proletários, sempre mais pauperizados. Neste contexto, aumenta o descontentamento com a política oficial e a voracidade da crise mantém o pequeno burguês na oscilação entre a contestação do governo e escassas esperanças nas promessas do liberalismo de direita. Não há que buscar coerência no comportamento da pequena burguesia, pois seus movimentos resultam precisamente da intensidade da crise. A greve dos caminhoneiros - puxada pelos proprietários autônomos - é expressão clara do fenômeno, mas está longe de ser a única. A reticência de setores sindicalistas e progressistas em apoiar sem vacilação aquele movimento revela o quanto ignoram a natureza específica da crise atual.

A enorme ofensiva do capital contra o funcionalismo público – nas três esferas, federal, estadual e municipal - é crescente e afeta diretamente as classes médias insatisfeitas com os custos elevados das escolas privadas, planos de saúde, segurança, vida social e cultural, etc. Assim, se por um lado a ideologia liberal condena o Estado como fonte de todos os males, por outro a ausência ou a péssima qualidade dos serviços públicos decorrentes da "austeridade fiscal" empurra milhões para o combate anti-sistêmico. Sendo assim, não basta clamar em defesa dos "direitos da cidadania" e menos ainda à retórica sobre a importância das políticas públicas notoriamente incapazes de evitar o abismo social onde se encontram milhões de trabalhadores. Numa lógica das situações extremas simplesmente não há espaço para o antigo keynesianismo ou as políticas de bem estar social de extração socialdemocrata. Nem mesmo cobrando impostos da classe dominante ou limitando o tradicional assalto ao Estado promovido por todas as frações do capital. O rentismo é imbatível no interior do sistema pois ele é o sistema! 
Resultado de imagem para pequenas e medias empresas contra os monopolios fotos
O rentismo seguirá apertando a pequena burguesia porque é próprio de sua autorreprodução a concentração e centralização da propriedade, tal como ocorre desde 1994, início do Plano Real. O latifúndio se amplia e também as terras e imóveis urbanos seguirão nas mãos de poucos proprietários, na exata medida em que os aluguéis encarecem e a propriedade torna-se importante instrumento de reserva de valor. O pesadelo pequeno-burguês nesse contexto é interminável. É verdadeiramente um mistério que a esquerda - especialmente o PSOL - não atue em consequência e busque precisamente representar este radicalismo que, ausente, é inapelavelmente capturado pela direita liberal. A pequena burguesia possui como referência de futuro apenas as promessas irrealizáveis do liberalismo de direita, pois o liberalismo de esquerda limitado à promessa de políticas de corte socialdemocrata que acabam de ruir é incapaz de captar sua ira.

O combate a corrupção 
Nós socialistas sabemos que a origem da corrupção é a relação simbiótica entre capital e Estado. No entanto, este reconhecimento não pode ocultar a decadência política e moral do petismo, especialmente de sua direção, e a consequente impotência política de um partido sob razão de Estado incapaz de combate-la até o fundo e o fim. O bom moço Keynes - ignorado em larga medida pelos keynesianos brasileiros - alertou há quase um século (1926) que "a inépcia dos administradores públicos contribuiu muito para levar o homem prático ao lasseiz-faire – um sentimento que, de maneira alguma, desapareceu. Quase tudo o que o Estado fizesse além de suas funções mínimas, no século XVIII, era, ou parecia, injusto ou sem êxito”. Ora, quando Dilma aplicou em 2014 um estelionato eleitoral semelhante ao de FHC em 1994, a inépcia petista sabotou no nervo a “competente” administração da ordem alimentada durante dois mandatos por Lula. Neste contexto, a memória sobre o veranico maravilhoso do segundo mandato do ex-presidente evaporou, especialmente para as classes médias e a pequena burguesia proprietária. A destituição de Dilma - o momento em que a burguesia decretou o fim da conciliação de classe no país - foi embalada na propaganda exitosa que a ex-presidente era completamente destituída de qualidades intelectuais e virtudes políticas para dirigir o país. Enfim, seu governo exibiu a "inépcia dos administradores públicos" indicada por Keynes e aqui difundida de maneira insistente; até mesmo parte do petismo alimentou esta política na medida em que também dirigiu muitas críticas a Dilma no suposto de que se "Lula estivesse lá, tudo seria diferente"...

A redução da política à moral segue crescendo no processo eleitoral sempre que surgem novas acusações e as antigas são tiradas do baú pelo juíz Moro contra Lula. Foi assim que a classe dominante afastou amplos segmentos da classe média do polo eleitoral representado pelo PT e Lula, agora estruturalmente debilitado por razão elementar: sem uma referência de classe socialista e combativa,  Lula e o PT não podem mais vencer essa batalha. Ao contrário, cada dia que passa, como partido da ordem que alimenta esperanças no sistema, empenhado em renová-lo como se fosse possível fazê-lo, terá inexoravelmente menos espaço entre as classes médias, jogando-as aos braços do melhor pastor. As classes médias - ao contrário do que pensa a filosofa municipal - não representam o "horror". Ora, foram precisamente elas que deram a vitória ao PT e ao seu profeta Lula, que nos governos petistas fixaram como utopia possível a "inclusão social" tal como se, de fato, a esquerda não mais se definisse pela luta socialista mas única e tão somente na luta contra as "injustiças sociais" ou, como pretende renovar o PSOL, na luta "contra os privilégios". Afinal, não foi de Lula a propaganda segundo a qual "40 milhões de brasileiros deixaram a miséria e outros 30 entraram na classe média"? Pois bem, as classes médias e os despossuídos desfrutam agora de um  país sem horizonte socialista, o único polo capaz de rivalizar com a ofensiva ultra liberal das classes dominantes e, em consequência, oscilam em direção à direita que captura sua atenção na medida em que a política está reduzida à moral e o paraíso parece perdido para sempre por pura responsabilidade da "esquerda".

De resto, as reformas liberais caminham bastante bem. Não deve ser considerado um feito menor o fato de que um governo sem qualquer aceitação tenha avançado como nenhum outro na direção da política encabeçada pela fração financeira do capital. A mais importante foi a reforma trabalhista que derrubou estruturalmente os salários e afirmou o terreno fértil para o aprofundamento da superexploração da força de trabalho. Antes dela, o congelamento dos gastos do Estado por duas décadas garantiu os recursos necessários para manter o caráter rentista cujo epicentro é a dívida pública. E o fim de um regime previdenciário de interesse imediato para os bancos está consolidado como se sua eliminação fosse uma condição para a existência do país. A resistência ao programa liberal tem sido forte mas fragmentada, e tragicamente, os sindicatos e movimentos populares reagem somente na medida em que o parlamento pauta as reformas. Um movimento de massas orientado por uma concepção parlamentar de política seguirá necessariamente limitado a posição reativa. 
Resultado de imagem para fotos sobre o fascismo

Frente eleitoral e frente antifascista
Neste cenário podemos observar com clareza os estragos produzidos pelo colapso programático e moral de 13 anos de governos petistas. A direita não cansa - e não cansará! - de identificar toda esquerda com o petismo. É confortável para as classes dominantes a identidade de toda esquerda com a crise programática e moral do PT. Pior ainda é observar que as forças de esquerda não desistem de marchar de mão dadas com Lula, a principal liderança eleitoral do partido, trazendo o petismo a reboque. O ato no Circo Voador no Rio em março deste ano e o Show Lula Livre em julho - ambos com a presença de Boulos do PSOL - exibem bastante bem a profundidade do estrago: é claro até mesmo para o observador neófito que antes de avançar na constituição de uma frente anti-fascista, os eventos eram, de fato, campanha eleitoral do PT e Lula.

Portanto a linha "estratégica" à esquerda é suicida. O PSOL recusa o radicalismo de esquerda e pretende herdar o espólio petista desconsiderando a natureza específica da crise atual - em larga medida compreendida como se fosse mero resultado da política recessiva de Dilma/Temer - e ignora o profundo e definitivo desgaste do projeto petista e seu líder eleitoral na classe trabalhadora e em amplos setores da classe média. No limite, a aliança branca que o PSOL realiza com o PT sob o argumento do "direito de Lula ser candidato", com Boulos insistindo em atitudes de "solidariedade" irrestrita ao ex-presidente, pretende tão somente captar o voto para uma bancada de deputados e senadores no suposto de que a base eleitoral do PT caminhará em direção a candidatos éticos e mais combativos e não votará nos parlamentares que seguem Lula e Haddad, composta majoritariamente de oportunistas de todo tipo. Ademais, além de sua inscrição nos marcos restritos da política parlamentar, é notório que essa atuação pretende definir o alinhamento do PSOL no segundo turno em torno do candidato petista, provavelmente Haddad. De resto, anuncia-se sem muita convicção e de maneira parcimoniosa a transição para outro partido cuja composição e hegemonia abrigaria possivelmente as correntes moderadas do PSOL e a "banda ética" do PT capaz de inaugurar no Brasil uma... nova esquerda! 

Este "projeto" despreza a evolução recente do capitalismo dependente em sua fase rentística na suposição de que o liberalismo de esquerda combativo, a "aliança com movimentos sociais" e uma dose de cretinismo parlamentar poderá realizar funções construtivas na guerra de classes inaugurada pelo ajuste de Dilma e aprofundada pelo governo liberal e corrupto de Temer. É ledo engano. Nestes termos o PSOL navega sem bússola e perde oportunidade histórica de romper com os limites políticos e culturais que ainda aprisionam contingentes de trabalhadores na angústia e exploração de um sistema que não mais tem capacidade de renovar-se pelas vias "civilizadas" e no "respeito às regras democráticas". A denúncia do "estado de exceção" expressa precisamente essa falência da crítica e a miséria do diagnóstico centrado na "crise de representação do regime político" que, nestes termos, derivou na "mais profunda crise de nossa democracia". Há, contudo, os ventos erráticos do sistema eleitoral que poderá reservar surpresas nunca antes pensadas.

O segredo de Bolsonaro
Bolsonaro mantém posição nas pesquisas operando no vazio do radicalismo de esquerda e também na dupla incapacidade de liberais de esquerda (PT) e de direita (PSDB) em afirmar mecanismos de renovação do sistema petucano, cuja impotência em afastar-se da lepra da corrupção é cada dia mais evidente para milhões de eleitores. Neste contexto, a pecha de fascista destinada ao deputado oculta algo essencial: o êxito nas pesquisas eleitorais é resultado direto de sua insistência na acusação do sistema político petucano, de todas suas misérias e não por que é de fato, um novo ‘Messias’, capaz de representar o ovo da serpente que na próxima segunda-feira nos conduzirá ao regime fascista. As teses ultra liberais que toscamente indica no terreno da economia são - ao contrário do que os acadêmicos julgam - ácido contra a inépcia das políticas públicas de corte socialdemocrata ou caritativa em tempos de crise social e de colapso financeiro do Estado, incapazes de romper a dinâmica satânica do rentismo sobre a dívida pública e o raquitismo dos programas sociais.

Ademais, o ultraliberalismo defendido por ele jamais poderá ser testado no mundo dos homens - razão pela qual tampouco pode ser batido no terreno da mera argumentação - pois é utopia reacionária e, embora de comprovada eficácia para capturar o senso comum em períodos eleitorais, jamais foi levado a prática em qualquer país do mundo, simplesmente porque sem Estado não existe capitalismo. Há que se compreender algo decisivo nesta disputa: Bolsonaro é um marionete nas mãos de Washington, uma carta do ultraliberalismo a serviço dos Estados Unidos. Aqui reside, precisamente, a força de seus argumentos, pois o ultraliberalismo jamais poderá ser levado a prática de maneira cabal; basta observar que a realização de uma etapa de reformas liberais deverá, necessariamente, ser seguida de outra ainda mais forte que, invariavelmente, será ainda insuficiente! A natureza religiosa da política que ele representa é capaz inclusive de roubar protagonismo do pastor-evangélico-deputado que, com os pés no mundo real e aferrado ao dinheiro (In God we trust), adotará sem cerimônia e remissão o messias mundano, renegando logo que necessário e possível, o deus que simulam adorar. Portanto, as acusações de que Bolsonaro não tem programa e que seus argumentos são irracionais, sem compromisso em solucionar os cada dia mais graves problemas nacionais, simplesmente não colam mais.

Resultado de imagem para bolsonaro e os estados unidos fotos
Bolsonaro é, na verdade, mais um candidato de Washington

Os partidos políticos da esquerda liberal manifestam ineficácia na tarefa de produzir teoria sobre a realidade brasileira e sua profunda crise, razão pela qual importam da academia fragmentos de interpretação da realidade nacional sem qualquer compromisso com o radicalismo político e o rigor científico. Em consequência, os partidos políticos do liberalismo de esquerda são cativos do academicismo liberal hegemônico na chamada inteligência universitária, sem perceber suas graves consequências. Na prática, estendem polêmicas do mundinho acadêmico para a vida partidária como se pudessem nessa infantil operação, cativar as massas! Este comportamento - expressão necessária do colapso completo do sistema petucano e dos acadêmicos com fortes vínculos com partidos de origem na esquerda - não é somente ingênuo; é também fatal para reconstruir o radicalismo de esquerda necessário para enfrentar o avanço liberal e suas expressões proto-fascistas. É ilustrativo deste fato que muita gente boa repita os bordões de acadêmicos inofensivos a ordem burguesa como Boaventura de Souza Santos e outros tantos, para iluminar o próximo passo da luta...

A demonstração mais desinibida da degradação da política como práxis totalizante a qual a esquerda liberal adota como virtude, pode ser observada no fato de que nesta disputa eleitoral os candidatos "possuem" seus economistas, apresentados com inusitada insistência nos programas de TV como verdadeiros oráculos que poderiam nos salvar da máquina de moer gente que deparamos desde sempre. Na real a cartada televisiva e do jornalismo em geral opera radical separação entre política e economia, responsável por perversa inversão, pois ela indica claramente que os candidatos não possuem um economista mas precisamente o contrário: o economista é quem, finalmente, possui um candidato! O proto-fascista Bolsonaro, com razão acusado como ignorante completo, incapaz de diferenciar a taxa de câmbio de uma frigideira, é hábil quando afirma sua fé inabalável  no batalhão de técnicos competentes e em seu delfim economista capaz de arrumar esta "esculhambação". Não é ocioso observar o discurso liberal de todos os economistas mais salientes distinguindo-se apenas por maior ou menor domínio das contas nacionais e correlações típicas dos manuais de macro-economia do mundinho acadêmico. No entanto, todos eles ajoelham no altar das finanças, ou seja, da fração financeira hegemônica no pacto de classe que nos domina. Na Europa, foi a fração financeira quem comandou o fascismo, mas essa lição histórica é sistematicamente omitida pelos que aqui e agora pretendem nos alertar contra a emergência daquele regime.

Ora, a separação radical entre o candidato e seu economista é também a maior expressão da concepção tecnocrática de política, dirigida precisamente à administração da crise segundo os interesses da classe dominante (especialmente da fração financeira) e jamais em superá-la em favor das classes subalternas! O antigo elogio à tecnocracia como caminho redentor diante da deficiência crônica da política social e do subdesenvolvimento encontra seu correlato à esquerda na medida em que a política como atividade totalizante, ato destinado à emancipação dos oprimidos, se refugia em "causas" e termina na impotência quando adota  o "conceito" de "empoderamento" para redimir, por meio do otimismo individual, dos manuais de auto ajuda e da simulação de práticas coletivas, a violência e exploração a que estão submetidas as vítimas do sistema. A denúncia retórica contra a "política do ódio", a "violência" e a "intolerância"  nada pode no contexto de uma guerra de classes! Mais do que um caminho para enfrentar a ofensiva burguesa, a insistência nas lutas fragmentadas destinadas a fortalecer "causas", indica que a defesa de direitos particulares não mais pode ser eficaz  como substituição da práxis totalizante; ao contrário, somente um programa totalizante e o ataque ao coração do sistema petucano poderia multiplicar o esforço anônimo e militante de milhares de pessoas que sustentam os movimentos populares. Eis a razão pela qual os chamados movimentos sociais - a despeito de sua importância - acumulam derrotas atrás de derrotas no contexto da guerra de classes aberta contra o povo. Expressam também que se a resistência é importante e sempre ocorrerá movida pelo sofrimento e exploração das vítimas do sistema, os limites implícitos da política baseada na denúncia da "intolerância" e da "política de ódio" soam infantis e antecipam o destino de todo moralismo: a impotência em ação!  

Epílogo eleitoral
Neste mês inicia o epílogo eleitoral: a propaganda na TV. Os dois partidos da ordem (PT e PSDB) poderão afirmar a centralidade da disputa pois dispõem de maior tempo de televisão. O desafio central do sistema petucano é impedir que Bolsonaro apareça como o único candidato anti-sistêmico numa eleição aparentemente previsível que repetiria a polarização dominante desde 1994. As últimas semanas oferecem indicativos sérios de que a eleição petucana poderá não existir. A renúncia ao radicalismo de esquerda permitiu a Bolsonaro avanço solitário na condição de alguém que está contra "tudo o que aí está". Alguém poderia acreditar? Em larga medida alertamos para este fato desde o início do ano indicando também o único caminho capaz de barrar Bolsonaro: o radicalismo de esquerda. O caminho ficou livre para o proto-fascista que, nos marcos de uma eleição disputada, atualiza o voto útil já no primeiro turno. O voto progressista tem neste contexto um único objetivo: evitar o pior. E o que seria o pior? Bueno, a consciência ingênua tentará evitar um segundo turno entre Marina e Bolsonaro ou entre este e Alckmim. Nesta miséria - dependendo do que farão tucanos e petistas no horário eleitoral - a candidatura de Haddad poderá crescer. 

A frente eleitoral anti-fascista tão desejada pelo liberalismo de esquerda como meio de exorcizar a ameaça fascista conta inclusive com o entusiasmo de Fernando Henrique Cardoso, que já anunciou que votaria em Haddad contra Bolsonaro. E o que faria o PT caso Bolsonaro fosse para o segundo turno contra os tucanos? Creio que retribuiriam a gentileza para evitar o avanço do "fascismo". A luta política esfacelou os partidos da ordem e exige radical redefinição entre os políticos da classe dominante.

E nós, da esquerda? Não teremos mesmo que chafurdar nesta lama na qual os liberais redefinem seu futuro diante do avanço inexorável do ultraliberalismo. Aqui e agora é preciso exercer a política da renúncia às misérias do sistema, abandonar as ilusões das possibilidades parlamentares, renovar a práxis política no interior dos sindicatos e exercer a crítica a tudo e a todos no lento trabalho de reconstrução das referências críticas para os trabalhadores e nossa juventude num pais em rápido giro à direita. A reconstituição de uma referência radical, preferencialmente de corte socialista, tinha na disputa eleitoral uma oportunidade estratégica que a aliança PSOL/PCB desprezou completamente. Este grave erro cobrará elevado preço a partir de janeiro de 2019, quando um governo liberal e um parlamento corrupto dominado por conhecidas figuras a serviço da classe dominante atuarão segundo o roteiro do ultraliberalismo e, na mesma medida, os políticos profissionais sempre orientados pelas conhecidas virtudes republicanas exibirão as vísceras de um sistema colapsado a serviço do exclusivismo burguês. 
Resultado de imagem para fotos encruzilhada

Neste contexto, a polarização petucana já dançou. O  aprofundamento da dependência e do subdesenvolvimento sob o impulso de petistas e tucanos na administração do Plano Real, o declínio do antigo orgulho burguês responsável pela característica moderna e terrível da sociedade brasileira, encontrou novo inimigo. A ameaça fascista cai como uma luva neste cenário e será útil para perpetuar as cadeias que nos mantém presos ao passado e ao presente, anulando as possibilidades e a necessidade do horizonte radical e socialista aqui e agora. O liberalismo de esquerda exigirá a redefinição partidária que alguns com cândida inocência consideram uma saída sem traumas sob os escombros de um sistema político que vive seus últimos dias. A ameaça fascista se tornará real? No momento não é necessário para a classe dominante, pois a guerra de classes acumula resultados favoráveis para seu programa. O fascismo, caso necessário, será uma vez mais, o epílogo do extremismo liberal. Mas não devemos nos enganar sobre o essencial: somente um movimento de massas, de orientação socialista, enraizado nas maiorias poderá enfrentar o monstro caso ele, finalmente, levante a cabeça.